São Paulo Polícia encontra corpo que seria de Lucilene, em Porto Ferreira (SP)

Polícia encontra corpo que seria de Lucilene, em Porto Ferreira (SP)

Segundo a família da vítima, peça de roupa encontrada ao lado do corpo pertencia à empresária de 48 anos, desaparecida desde o fim de 2019

  • São Paulo | Do R7, com informações da Record TV

Peça de roupa encontrada ao lado de corpo seria de Lucilene, diz família

Peça de roupa encontrada ao lado de corpo seria de Lucilene, diz família

Reprodução Record TV

A Polícia Civil de Porto Ferreira, no interior de São Paulo, encontrou nesta quinta-feira (7) uma ossada que pertenceria à empresária Lucilene Maria Ferrari, de 48 anos, desaparecida desde a véspera do Natal do ano passado. As informações são da Record TV.

Os policiais responsáveis pela descoberta também localizaram uma peça de roupa ao lado da ossada. O material será examinado e os peritos também devem fazer testes de DNA para confirmar a identificação do cadáver. No entanto, a família de Lucilene teria reconhecido a vestimenta.

Leia também: Mulher de Vanderlei apresenta contradições ao depor

O corpo, já em estado avançado de decomposição, foi localizado em uma das margens do Rio Mogi Guaçu. O crânio possuía a marca de uma fratura e a mão esquerda não foi encontrada. Lucilene, proprietária de um hotel na cidade situada a 266 km da capital paulista, é a única pessoa desaparecida na região.

O delegado Eduardo Henrique Palmeira Campos, que chefia as investigações, avalia que o tamanho e a compleição física indicam que o cadáver seja de uma pessoa do sexo feminino. O policial acredita que o crime esteja perto de ser desvendado.

"Houve uma convergência técnica e faltava realmente o corpo. As investigações prosseguem, até para termos a certeza absoluta. Para que essa família possa dar um enterro digno à sua ente querida", complementou o delegado Eduardo Henrique Palmeira Campos.

Autoria e motivação do crime

Em diligências anteriores efetuadas na tentativa de desvendar o paradeiro de Lucilene, cães farejadores da Polícia Militar teriam identificado o cheiro do companheiro da vítima, Vanderlei Meneses, no mesmo local onde o corpo foi localizado. Na época das buscas, a região havia sido alagada pelas chuvas.

A principal hipótese da polícia é que Lucilene tenha sido morta durante uma discussão com o marido, ocorrida dentro do hotel de sua propriedade, após ter descoberto uma traição do companheiro. A acusação foi rechaçada pelo suspeito, em entrevista exibida no programa Cidade Alerta.

"Estou tranquilo. Não tenho nada a ver [com o crime]. Vim falar para tranquilizar a todos, meus familiares e amigos", disse o ex-marido da vítima, que chegou a ser detido por 60 dias durante o inquérito que apura o caso.

O advogado Roberto Guastelli, que representa a família da empresária, acredita que outras pessoas teriam participado da morte de Lucilene e que os indícios já levantados pelos investigadors sejam suficientes para levar o suspeito à prisão. "Ele vai manter a versão dele. Vamos lutar pela justiça e ele vai ser condenado", enfatizou o criminalista.

Últimas