Polícia encontra luva no carro e outras duas armas na casa de família de PMs assassinados

Objetos serão encaminhados para a perícia para verificar se foram utilizados no crime

A polícia encontrou um par de luvas no carro e outras duas armas na casa onde dois policiais militares, o filho deles, a mãe e uma tia foram mortos, na última segunda-feira (5). O armamento pertence a Luís Eduardo, pai de Marcelo Eduardo Bovo Pesseghini, 13 anos, principal suspeito do crime.

A Polícia Civil quer saber agora se há resíduos de pólvora nas luvas encontradas. De acordo com o exame residuográfico, divulgado nesta terça-feira (6), não houve registro da substância na mão do jovem.

As armas juntam-se agora às outras duas anteriormente encontradas com o adolescente, sendo uma na mão dele, e a outra na mochila que estava com ele. 

Leia mais notícias de São Paulo

Os objetos serão encaminhados para a perícia para verificar se foram utilizados no crime.

O caso

Um casal de policiais militares e o filho deles, de 13 anos, foram encontrados mortos dentro de casa na noite da segunda-feira (5), por volta das 18h30, na rua Dom Sebastião, no bairro da Brasilândia, zona norte da cidade de São Paulo. A mulher era Andreia Regina Bovo e trabalhava como cabo da PM. O marido dela era o sargento da Rota Luís Marcelo Pesseghini. 

Desejo de filho de PMs mortos em chacina era assassinar os pais, diz amigo à polícia

As investigações policiais indicam que o adolescente teria matado a família, entre a noite de domingo (4) e a madrugada de segunda (5). Ele teria dirigido o carro da família até a escola onde estuda, a cerca de 5 km da casa.

Uma câmera de segurança da região flagrou o jovem saindo do veículo.  

Após a aula, ele pegou carona com o melhor amigo. O pai do garoto o deixou na frente de casa. Marcelo teria dito que não havia necessidade de chamar o pai porque ele estava dormindo.

Nesta quarta-feira (7), a polícia irá ouvir familiares, professores e colegas da escola.