Polícia Federal faz buscas em gabinete de deputado na Alesp 

Ação contra Douglas Garcia, do PSL, aconteceu durante operação contra disseminação de fake news. No total, foram 29 mandados de busca

Agentes da PF carregam malotes após diligências de busca na Alesp

Agentes da PF carregam malotes após diligências de busca na Alesp

TABA BENEDICTO / ESTADÃO CONTEÚDO / 27.05.2020

Agentes da Polícia Federal fizeram diligências nesta quarta-feira (27) no gabinete do deputado estadual pelo PSL, Douglas Garcia, na Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo), no Ibirapuera, zona sul de São Paulo. A ação faz parte da operação da PF contra a disseminação e financiamento de fake news contra ministros do STF (Supremo Tribunal Federal).

No total, foram cumpridos 29 mandados de busca e apreensão no Distrito Federal, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso, Paraná e Santa Catarina. Todas as ordens judiciais foram expedidas pelo ministro Alexandre de Moraes.

Entre os alvos da ação estão o presidente do PTB, o ex-deputado federal Roberto Jefferson, o dono da Havan, empresário Luciano Hang, o deputado Douglas Garcia, a ativista Sara Winter, o blogueiro Allan dos Santos e o humorista Rey Biannchi.

Leia mais: Moraes determina quebra de sigilo bancário de Hang e empresários

Na Alesp, os policiais saíram levando malotes com os materiais apreendidos. O deputado estadual Douglas Garcia confirmou que os agentes da PF estiveram em seu gabinete e apreenderam computadores. O deputado classificou as buscas como "lamentáveis".

Garcia postou um vídeo no Twitter nesta quarta criticando a operação da PF. Segundo o parlamentar, a investigação "apequena a Polícia Federal" e os ministros do STF estão "perseguindo" os alvos da operação.

Veja também: Moraes determina bloqueio das redes sociais de Roberto Jefferson

De acordo com o deputado, houve uma "perseguição do inquérito inconstitucional 4.781 estabelecido pela ditatoga com o intuito de criminalizar a liberdade de expressão e a atividade parlamentar".

"Vocês querem calar a voz dos conservadores através das redes sociais, através dessa perseguição danada que vocês estão fazendo", afirmou Garcia.

Ele concluiu pedindo que o STF dê publicidade ao que encontrou nos computadores da Alesp "porque vão ver que eu trabalho".

Leia ainda: Bia Kicis e outros deputados vão depor em inquérito das fake news