'Queria me vingar da mãe dela', diz homem que matou Emanuelle

Menina de 8 anos foi morta com 13 golpes de faca. Autor alegou que a mãe dela não permitia que a garota brincasse com o enteado dele 

Emanuelle foi morta com 13 golpes de faca pelo vizinho ao apanhar mangas

Emanuelle foi morta com 13 golpes de faca pelo vizinho ao apanhar mangas

Reprodução Record TV

"O problema não era com a menina, queria me vingar da mãe dela", confessou o lavrador Aguinaldo Guilherme Assunção, de 49 anos, em depoimento à polícia. Ele alegou ter matado Emanuelle Pestana de Castro, de 8 anos, em Chavantes, no interior de São Paulo, com 13 golpes de faca por vingança. "A mãe dela não gostava que meu moleque brincasse com a menina dela, deixava com qualquer um menos ele", afirmou o suspeito.

Em confissão gravada pela polícia, Aguinaldo revelou que o objetivo dele era Fabiana Pestana, mãe da garota, mas na sexta-feira (10) ele viu a criança sozinha na praça. De acordo com o suspeito, foi a menina quem o chamou para buscar mangas. "Uma semana antes, eu, ela, meu sobrinho e enteado fomos buscar manga e ela mentiu que tinha avisado a mãe", contou.

Após o pedido, ele combinou de encontrar Emanuelle mais à frente e disse que buscaria duas sacolas em casa. Ele também pegou a faca usada no crime. A menina foi levada para a região de mata na fazenda de bicicleta, na companhia de Aguinaldo.

"Chegamos lá, catamos a manga e eu menti pra ela: vamos lá embaixo que tem pé de manga espada. Descemos. Entrei no meio do mato, não tinha pé, ela passou na minha frente, eu já estava com a faca na mão, aí foi no impulso", revelou Aguinaldo com frieza.

As buscas pela garota duraram 4 dias. Em um primeiro momento, Aguinaldo negou à polícia saber sobre o desaparecimento da menina, mas imagens mostravam Emanuelle caminhando sozinha pela região, mas sendo seguida por ele.

O suspeito chegou a mandar uma mensagem para um amigo afirmando que estava ajudando a família a procurar a criança que sumiu após brincar no parquinho. O corpo da criança foi localizado no endereço apontado por Aguinaldo.

Segundo a sobrinha do suspeito, Roberta Assunção, foi uma surpresa para a família ele ser o autor do crime. "Eu me coloco na dor dessa mãe, eu ajudei todos os dias a mulher a procurar a filha dela, daí depois veio a notícia que foi ele que matou ela", disse em lágrimas.