São Paulo Região central de SP ganha espaços culturais e reforma os históricos

Região central de SP ganha espaços culturais e reforma os históricos

Teatro Cultura Artística dá início às obras de restauro, Sesc abre uma nova unidade na avenida Paulista e Tom Jobim recebe nova sede

  • São Paulo | Karla Dunder, do R7

Começam neste mês de março as obras do teatro Cultura Artística, na região central da cidade

Começam neste mês de março as obras do teatro Cultura Artística, na região central da cidade

Divulgação

A região central da cidade de São Paulo ganha mais três centros culturais nos próximos meses.

O Sesc inaugura no dia 29 de abril a unidade Avenida Paulista. As obras do novo teatro da Sociedade Cultura Artística começam neste mês de março, praticamente dez anos depois de um incêndio que destruiu parcialmente o prédio, e a Emesp (Escola de Música do Estado de São Paulo) Tom Jobim deve ganhar uma nova sede, com direito a sala de apresentação, ainda em fase de projeto.

O que eles têm em comum? São prédios restaurados, adaptados para novos usos e que reforçam a ocupação cultural da região.

Teatro Cultura Artítica

Após um incêndio que destruiu parcialmente o teatro, começam as obras de restauro e reconstrução do novo teatro Cultura Artística.

“As chaves já foram entregues à construtora. Estamos devolvendo um patrimônio para a cidade”, diz o superintendente da Sociedade Cultura Artística, Frederico Lohmann. O teatro é tombado pelo patrimônio histórico nas três instâncias: municipal, estadual e federal.

O novo projeto arquitetônico resgata as características do prédio projetado pelo arquiteto Rino Levi, inaugurado em 1950. O afresco assinado por Di Cavalcanti já foi restaurado em 2012 e voltará para a fachada.

O teatro terá quatro andares e um total de 7.600 metros quadrados de áreas construída. Serão duas salas de espetáculo: a principal com capacidade para 750 lugares, e um auditório com 150 assentos.

“O foco está na música de câmara, formações menores, com 80 músicos, em um ambiente intimista. As orquestras já têm a Sala São Paulo. Claro que a sala será aberta a todo tipo de apresentação musical', destaca Lohmann.

Esta primeira fase do projeto, que contempla as fundações, estrutura e vedação do prédio, foi orçada em R$ 30 milhões. Será realizada uma campanha para arrecadar fundos para a construção da segunda fase, que contempla o acabamento. A Lei Rouanet também deve ser utilizada para captar recursos. O teatro deve ser entregue em 2021.

Unidade do Sesc Paulista

Unidade do Sesc Paulista

Matheus José Maria/Divulgação

Sesc Paulista

Localizado no número 119 da avenida Paulista, a nova unidade do Sesc tem 17 andares e dois subsolos, com uma área construída de 12 mil metros quadrados. Um dos charmes do prédio é a comedoria na cobertura, que também oferece um mirante, com vista panorâmica para a cidade.

Essa nova unidade deverá atender a um público estimado de 18 mil pessoas por semana. E dialoga com outros centros culturais que já estão na avenida como o Instituto Moreira Salles, a Japan House, o Centro Cultural Fiesp, Masp (Museu de Arte de São Paulo) e o vizinho Itaú Cultural.

Uma novidade que já foi aprovada pela prefeitura é o boulevard na rua Leôncio de Carvalho, localizada na lateral do edifício do Sesc Avenida Paulista. O novo corredor cultural terá circulação exclusiva de pedestres e interligará a unidade do Sesc ao Itaú Cultural. “Nossa proposta é que as pessoas tomem o espaço público, não apenas aos domingos, mas todos os dias. A praça também será um espaço para as mais diferentes manifestações culturais”, afirma Danilo Santos de Miranda, diretor do Sesc SP.

O antigo prédio de escritórios, que serviu de sede ao Sesc de 1978 até o início dos anos 2000, levou 8 anos para ficar pronto. “Foi uma obra complexa, tivemos de adaptar todo o edifício. Ampliamos o número de elevadores e toda a área de circulação, “ Miranda. O Sesc investiu R$ 100 milhões na obra.

“A avenida Paulista é estratégica até pela facilidade de acesso, com metrô e ônibus. Esta unidade oferece o que há de mais moderno, como as demais contempla todos os programas do Sesc, mas não terá piscina ou ginástica. Também terá um espaço cênico, não um teatro." A programação se baseia em três eixos: arte, corpo e tecnologia. “Tecnologia e informação passam por todos os setores das atividades físicas à cultura. ”

Tom Jobim

Em frente à Estação Júlio Prestes, que abriga uma das mais importantes salas de concerto do país, a Sala São Paulo, será construída a nova sede da Emesp Tom Jobim. O projeto integra o projeto do governo do Estado para a ocupação do terreno da antiga rodoviária e deve ser entregue em 2020. Além das salas de aula, o espaço terá uma sala para apresentações e biblioteca.

Últimas