São Paulo Sabesp reduz fornecimento de água para algumas cidades de SP

Sabesp reduz fornecimento de água para algumas cidades de SP

Captação de água nas represas do Cantareira foi reduzida por determinação de agência nacional

Sabesp reduz fornecimento de água para algumas cidades de SP

A Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) anunciará nesta quinta-feira (13), que as cidades permissionárias do Sistema Cantareira — aquelas que compram água da empresa no atacado — receberão a partir de hoje menos água e terão que encontrar saídas próprias para evitar o racionamento, informa o jornal O Estado de S. Paulo.

O governo alega que a medida é necessária para repassar aos "clientes" da Sabesp a exigência da ANA (Agência Nacional de Águas), que determinou desde segunda-feira (10) a redução em 15,5% da captaçãoC de água máxima nas represas do Cantareira: de 33 mil litros por segundo para 27,9 mil,

PT versus PSDB 

A Sabesp é a responsável direta pelo fornecimento de água em 364 dos 645 municípios paulistas. Nos demais, o fornecimento é feito pela prefeitura, que pode comprar água no atacado da empresa ou recolher em represas da região. A medida afetará diretamente duas cidades da Grande São Paulo que recebem água do Sistema Cantareira: Guarulhos e São Caetano. A primeira, que já vem sendo obrigada a fazer rodízio em seis bairros da cidade (com 210 mil pessoas afetadas), alega que já recebe menos água do que o determinado pelo contrato.

Leia mais notícias de São Paulo

Sabesp volta a descartar racionamento de água em SP

Dos 300 litros por segundo contratados, estariam entrando apenas 200 litros por segundo na segunda maior cidade do Estado. O governo, por sua vez, nega que esteja enviando menos água e culpa a prefeitura da cidade, que é administrada pelo PT, por não conseguir reduzir o consumo.

Enquanto São Caetano reduziu a demanda em 18% — 100 litros por segundo a menos, e evitou até agora um racionamento, Guarulhos não teria conseguido diminuir o consumo. Em nota, a prefeitura afirmou que Guarulhos "sofre historicamente pela vazão reduzida do volume de água enviado pela Sabesp".

O Saae (Serviço Autônomo de Água e Esgoto) de Guarulhos afirma, ainda, que faz ampla campanha de divulgação nos meios de comunicação e sugere medidas de economia. O conjunto de ações inclui, segundo o órgão, carro de som, cartazes, telemarketing e informes publicitários em emissoras de rádio e jornais impressos. "Ao mesmo tempo, será concedido desconto na conta para quem reduzir o consumo — 30% nas contas de quem reduzir o consumo em 20%, em comparação à média mensal no período compreendido entre fevereiro de 2013 e janeiro de 2014, e 10% para quem reduzir o consumo em 10%", diz a nota. Sistema semelhante foi adotado na Grande São Paulo pela Sabesp, para beneficiários do Sistema Cantareira.

A Sabesp informa que o abastecimento está normal nas 364 cidades operadas pela companhia, mas não é possível responder pelas demais, uma vez que caberia a elas explicar como funciona o sistema de distribuição de água local. A cidade de Diadema, por exemplo, que também deve fazer rodízio de água, compra água no atacado da Sabesp. Mas, segundo a companhia, esse volume é fornecido pelo Sistema Rio Grande (Billings), que está com 98% de sua capacidade.

A Sabesp, por sua vez, informa que nunca deixou de entregar o volume de água contratado pelo município de Guarulhos. A empresa reitera a solicitação já apresentada em reunião com as prefeituras e serviços municipais que recebem água por atacado da empresa (São Caetano do Sul, Guarulhos, Mauá, Mogi das Cruzes, Diadema e Santo André, entre outras) de intensificar campanhas de economia e de uso racional da água para assegurar o pleno abastecimento da população.

O Estado procurou as administrações de Diadema e Mauá, para comentar o assunto, mas não obteve resposta.