São Paulo Saiba quais linhas do Metrô funcionam normalmente durante a greve desta terça (3) em SP

Saiba quais linhas do Metrô funcionam normalmente durante a greve desta terça (3) em SP

Permanecem em operação apenas as linhas concedidas à iniciativa privada; paralisação afeta cerca de 4,5 milhões de passageiros

  • São Paulo | Do R7

Manifestantes são contra a privatização das linhas

Manifestantes são contra a privatização das linhas

ETTORE CHIEREGUINI/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO - 03.10.2023

Apenas as linhas 4-Amarela e 5-Lilás,  do Metrô, e 8-Diamante e 9-Esmeralda, da CPTM, funcionam normalmente na manhã desta terça-feira (3), na cidade de São Paulo, durante a greve do Metrô e da CPTM (Companhia Paulista de Trens e Transportes).

As linhas foram concedidas à iniciativa privada e são administradas por ViaQuatro e ViaMobilidade.

A população que usa o transporte público é impactada pela paralisação nas linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e 15-Prata, do Metrô. Segundo dados da empresa metroviária, as linhas transportaram cerca de 2,94 milhões de passageiros em dias úteis em agosto.

 Compartilhe esta notícia no WhatsApp
 Compartilhe esta notícia no Telegram

As linhas 7-Rubi, 10-Turquesa, 11-Coral 12-Safira e 13-Jade, da CPTM, também são afetadas pela greve. Elas transportaram, em média, 1,55 milhão de passageiros em dias úteis em agosto.

Na soma dos meios de transporte e com base nos últimos dados disponíveis, são cerca de 4,5 milhões de passageiros que usam essas linhas diariamente, segundo os dados do Metrô e da CPTM, que serão afetados pela paralisação.

Os funcionários da Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) também aderiram à greve. As categorias reivindicam o cancelamento dos processos de privatização, além da realização de um plebiscito para consultar a população sobre a concessão dessas empresas públicas.

Reforço na frota de ônibus

A frota de ônibus será reforçada durante todo o dia, com 100% da operação. "Há um número maior de ônibus nos horários de pico, e no entrepico diminui, mas amanhã será a carga o dia todo", informou o prefeito Ricardo Nunes.

Rodízio

A Prefeitura de São Paulo também anunciou a suspensão do rodízio de veículos nesta terça. Com isso, os veículos com placa com final 3 e 4 podem circular pela cidade sem nenhum tipo de restrição nem punição.

Ponto facultativo

O governo determinou ponto facultativo em todos os serviços públicos estaduais da capital nesta terça-feira. Os serviços de segurança pública não serão afetados, assim como os restaurantes e postos móveis do Bom Prato.

Governo diz que paralisação é abusiva

A gestão de Tarcísio de Freitas (Republicanos) classificou a paralisação como ilegal e abusiva. "É absolutamente injustificável que um instrumento constitucional de defesa dos trabalhadores seja sequestrado por sindicatos para ataques políticos e ideológicos à atual gestão", declarou o governo em comunicado oficial — veja a nota na íntegra abaixo.

"Sobre a greve anunciada para esta terça-feira, 3 de outubro, pelos sindicatos dos trabalhadores do Metrô, CPTM e Sabesp, o Governo de São Paulo reforça que esta é uma greve ilegal e abusiva, a qual torna refém a população que precisa do transporte público. É absolutamente injustificável que um instrumento constitucional de defesa dos trabalhadores seja sequestrado por sindicatos para ataques políticos e ideológicos à atual gestão.

É importante esclarecer à população que a greve não foi convocada para reivindicar questões salariais ou trabalhistas, mas sim para que os sindicatos atuem, de forma totalmente irresponsável e antidemocrática, para se opor a uma pauta de governo que foi defendida e legitimamente respaldada nas urnas.

O programa estadual de parcerias, concessões e desestatizações visa a melhoria na prestação dos serviços públicos aos cidadãos e está totalmente amparado pelas leis brasileiras. Assim, ao chantagear a população com greves ilegais, os sindicatos atentam não só contra a legislação vigente, mas também à ordem pública e ao aprimoramento das políticas públicas.

O Governo de São Paulo está agindo com total transparência e respeito à legalidade na condução das propostas de parceria, concessão e desestatização. Contratou estudos de viabilidade técnico-financeira de órgãos de excelência internacional e deu publicidade a todas as etapas cumpridas até o momento, tanto nos canais oficiais do Estado como pela imprensa.

A esfera de debate para privatização são as audiências públicas e não por meio da ameaça ao impedimento do direito de ir e vir do cidadão. É por meio do processo de escuta de diálogo das desestatizações que os sindicatos contrários devem se manifestar, de forma democrática, convencendo atores políticos e a própria sociedade de que a proposta do Governo de São Paulo não é a ideal. Infelizmente, aqueles que deveriam representar os trabalhadores preferem agir de forma truculenta, promover o caos e prejudicar toda a população.

O Estado vem atuando tempestivamente nas esferas administrativa e judicial para que a população não seja prejudicada. O Tribunal Regional do Trabalho já decidiu contrariamente à greve das três categorias e determinou a manutenção dos serviços de transporte em 100% nos horários de pico e 80% nos demais períodos, além de 85% do contingente da Sabesp. A Justiça também proibiu a liberação das catracas, proposta de forma irresponsável pelos grevistas, sem levar em conta os altos riscos de tumultos e acidentes nas estações.

O Governo de São Paulo continuará trabalhando para preservar a ordem pública e garantir os direitos dos cidadãos que tanto precisam dos serviços públicos. Os servidores da Sabesp, do Metrô e da CPTM merecem líderes sindicais que priorizem o respeito à legalidade e o atendimento à população."

Estações fechadas do Metrô complicam a vida do trabalhador; veja fotos da paralisação

Últimas