São Paulo São Paulo inicia testagem dupla em pacientes com sintomas de gripe

São Paulo inicia testagem dupla em pacientes com sintomas de gripe

Foram disponibilizados cerca de 300 mil testes rápidos de Covid-19 para a rede municipal de saúde e também testes para influenza

  • São Paulo | Do R7, com informações de Letícia Assis, da Agência Record

Cidade de SP inicia testagem dupla em pacientes com sintomas de gripe

Cidade de SP inicia testagem dupla em pacientes com sintomas de gripe

Kevin Lamarque/Reuters

A Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo iniciou nesta quarta-feira (5) a aplicação de testes rápidos para a Covid-19 em pessoas que apresentarem sintomas de gripe na capital. Desde o último dia 30, as unidades de saúde realizam também testes rápidos para o vírus influenza.

"Vamos fazer essa ampla testagem nas próximas duas semanas, o que nos possibilitará ter uma visão mais clara sobre o comportamento das doenças na capital. Estamos acompanhando os números de perto, para que possamos prestar a melhor assistência para a população", disse o secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido.

De acordo com o secretário, foram disponibilizados cerca de 300 mil testes rápidos de Covid-19. A testagem ocorrerá em todo o sistema público de saúde, nas 469 UBSs (Unidades Básicas de Saúde), também em AMAs (Assistência Médica Ambulatorial) e UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) da cidade.

Diante do aumento da demanda e casos de pessoas infectadas com gripe e Covid-19, nos próximos 15 dias a Prefeitura de São Paulo vai realizar a testagem em massa das pessoas que apresentarem os sintomas em toda a rede municipal.

Segundo o secretário, quem apresentar quadro respiratório agudo, com pelo menos dois dos sintomas (febre, calafrios, dor de garganta, dor de cabeça, tosse, coriza, distúrbios olfativos ou degustativos), será orientado a realizar o teste rápido com antígenos.

Caso o resultado seja positivo, a pessoa então realizará o exame RT-PCR para Covid-19 e o resultado será encaminhado ao Instituto Butantan para o sequenciamento de variantes. Caso dê negativo, o paciente será submetido ao teste da influenza.

O secretário reforçou a importância da realização dos testes para que, desse modo, a secretaria consiga traçar o cenário epidemiológico no município, sendo possível dimensionar qual o nível de prevalência da gripe e a porcentagem correspondente à variante Ômicron.

Ainda de acordo com o secretário, na primeira semana de dezembro, quando a variante surgiu no país, ela representava 5% dos casos da capital paulista. Nesta terça-feira (4), após novo balanço, a Ômicron já atingia 52% dos infectados.

Neste momento, segundo Edson Aparecido, a cidade enfrenta uma grande pressão no sistema de saúde, uma vez que são atendidas cerca de 20 mil pessoas em média por dia.

Aumento da demanda

Em dezembro, foram registrados 286.858 atendimentos a pessoas com quadro respiratório. Desses, 133.501 eram suspeitos de Covid-19. Em novembro, foram 111.949 atendimentos de pacientes com sintomas gripais, sendo 56.220 de Covid-19.

Até o dia 3 de janeiro, foram realizados 20.333 atendimentos a pessoas com sintomas respiratórios, sendo 11.585 suspeitos de Covid-19.

Para dar conta da demanda, a prefeitura disponibilizou 229 leitos no Hospital do Guarapiranga e outros 406 no Hospital da Brasilândia, sendo que 121 pacientes estão internados em leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e 164 em enfermaria.

Para reforçar os atendimentos, a secretaria contratou 280 médicos que serão distribuídos em todas as unidades da rede.

A orientação é manter o uso correto de máscara, distanciamento de outras pessoas (pelo menos 1 metro), cobrir a boca e nariz quando tossir ou espirrar e lavar as mãos imediatamente após contato com secreções respiratórias. 

Flurona

Em relação aos casos de dupla infecção na cidade de São Paulo, a chamada flurona, união das palavras "flu", gripe em inglês, e "rona", parte de coronavírus, o secretário afirmou que, no momento, não há nenhum paciente internado com as duas doenças.

Segundo Aparecido, foram registrados apenas 24 casos de dupla infecção, distribuídos ao longo da pandemia.

Carnaval 2022

Questionado sobre a realização do Carnaval 2022, o secretário municipal da Saúde informou que a decisão cabe à Prefeitura de São Paulo.

Nesta quarta-feira (5), a Vigilância Sanitária vai apresentar ao prefeito Ricardo Nunes um estudo do cenário epidemiológico da cidade. Segundo o secretário, a cidade apresentou um rápido crescimento de casos em curto espaço de tempo.

Ainda sobre a possibilidade de mudança dos blocos de Carnaval para o autódromo de Interlagos, na zona sul, Edson Aparecido disse que a realização de eventos em locais onde há o controle de pessoas vacinadas é mais seguro.

O secretário ainda citou a eficácia dos protocolos de saúde e exemplificou com a São Silvestre e os jogos de futebol realizados em estádios com público.

Últimas