São Paulo SP confirma 3 casos de covid por variante do coronavírus de Manaus

SP confirma 3 casos de covid por variante do coronavírus de Manaus

Esses são os primeiros registros pelo Instituto Adolf Lutz da nova variante fora do Amazonas

Agência Estado

Resumindo a Notícia

  • SP confirma três primeiros casos por variante do coronavírus
  • Esses são os primeiros registros da nova cepa fora do AM
  • Linhagem tem mutações associadas a mais transmissões
  • As três pessoas têm histórico de viagem ou residência em Manaus
Manaus registrou escalada de casos com nova cepa do coronavírus

Manaus registrou escalada de casos com nova cepa do coronavírus

Edmar Barros/Futura Press/Folhapress - 17.01.2021


A Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo confirmou, nesta terça-feira (26), três casos importados de covid-19 no estado causados pela nova variante brasileira do coronavírus, identificada pela primeira vez no Amazonas e que vem sendo apontada como uma das razões para a explosão de casos da doença em Manaus.

Esses são os primeiros registros da nova variante fora do Amazonas. De acordo com a secretaria, a confirmação foi feita por meio de sequenciamento genético feito no Laboratório Estratégico do Instituto Adolfo Lutz, que é referência nacional e vinculado à pasta estadual.

"O vírus foi sequenciado a partir de amostras com resultados positivos de exames processados pelo Centro de Virologia de três pessoas que tiveram covid-19 e passaram por atendimento em serviços da rede pública de saúde em São Paulo, com histórico de viagem ou residência em Manaus", disse a pasta, em nota.

Segundo estudos feitos por pesquisadores da USP e Fiocruz Amazonas, a cepa teria surgido em Manaus em dezembro e vem se disseminando com rapidez na capital amazonense. A variante, chamada de P.1, tem mutações importantes na proteína spike, responsável por permitir a entrada do patógeno nas células humanas.

A P.1 é derivada de uma das variantes predominantes no País, a B.1.1.28. É provável que ela tenha maior poder de transmissão por causa da mutação N501Y, presente também nas variantes identificadas no Reino Unido e na África do Sul.

"Essas mutações poderiam estar associadas a um maior potencial de transmissão, apesar de ainda não haver comprovação científica de que esta variante seja mais virulenta ou transmissível em comparação a outras previamente identificadas.

Outra mutação que causa preocupação é a E484K, já associada em estudos a um potencial de escapar de anticorpos, o que pode favorecer reinfecções e até afetar a eficácia de vacinas. Novas pesquisas estão sendo feitas para determinar se a variante brasileira e as demais são mais contagiosas, letais ou se afetariam o desempenho dos imunizantes.

Os sequenciamentos realizados pelo Lutz foram depositados no banco de dados online e mundial Gisaid (Iniciativa Global de Compartilhamento de Todos os Dados sobre Influenza). De acordo com a secretaria, eles têm alta qualidade e confiabilidade, correspondendo a 99,9% do genoma do vírus.

Últimas