São Paulo TCE: 61% das cidades paulistas arrecadam abaixo do previsto

TCE: 61% das cidades paulistas arrecadam abaixo do previsto

Órgão alertou 317 prefeituras por gastarem excessivamente com funcionários. Informações são relativas ao segundo quadrimestre de 2019


152 municípios gastaram mais de 90% do limite previsto

152 municípios gastaram mais de 90% do limite previsto

Pixabay

Mais da metade das prefeituras paulistas (61%) arrecadou menos do que o previsto em 2019, segundo levantamento do TCE-SP (Tribunal de Contas do Estado de São Paulo). As informações são relativas aos meses de maio, junho, julho e agosto deste ano.

Leia mais: Mais de 85% dos municípios estão em 'situação de risco', diz TCE-SP 

De acordo com os dados, 396 municípios estão em situação de risco no orçamento por estarem infringindo o previsto na LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal), que estabelece a obrigatoriedade de alertas dos Tribunais de Contas quando forem constatadas situações que possam levar a irregularidades fiscais.

Ainda de acordo com o Tribunal, 317 administrações dos municípios (49%) apresentam um quadro de gasto excessivo com pessoal. Das 644 prefeituras fiscalizadas, 173 (22%) apresentaram arrecadação prevista ou acima do esperado. Deste total, apenas seis municípios não receberam nenhum alerta. Pelo menos 75 municípios não prestaram as informações e poderão ser penalizados.  

Dessas, 117 prefeituras ultrapassaram o limite de 95% estabelecido pela LRF e não poderão mais conceder aumentos ou criar cargos, bem como admitir ou contratar pessoal. Outros 48 municípios têm situação pior, por ultrapassarem o previsto na LRF. É possível que dentro destas gestões seja necessário extinguir cargos, reduzir valores dos salários e reduzir jornadas de trabalhos.

Segundo o TCE-SP, as falhas na arrecadação prevista, o descumprimento de metas fiscais, o déficit financeiro, e a incompatibilidade de metas diante da realidade financeira são alguns dos fatores responsáveis por colocar os municípios em situação de risco.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Ana Vinhas