São Paulo TJ confirma condenação de homem que matou ex após oferecer carona

TJ confirma condenação de homem que matou ex após oferecer carona

Homem não aceitava fim do relacionamento e, depois de ex-namorada aceitar carona, a matou com bloco de concreto. Pena será de 22 anos e seis meses

  • São Paulo | Do R7

Luana, a vítima, tinha 19 anos e foi assassinada em 2018

Luana, a vítima, tinha 19 anos e foi assassinada em 2018

Reprodução/Redes sociais

A 4ª Câmara de Direito Criminal do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) manteve o júri que condenou homem por homicídio contra sua ex-namorada, uma manicure de 19 anos, em dezembro de 2018, em Mirassol, no interior de São Paulo.

Segundos os autos, o acusado teve um relacionamento de três meses com a vítima, que terminou depois da mulher dizer que voltaria com o ex-marido. No mesmo dia, o homem, que atuava como motorista de aplicativo, ciente de que a ex-namorada estava sem dinheiro e documentos, ofereceu uma carona para ela.

No caminho, como detalhou o réu à polícia após confessar o crime, ele estacionou o carro e começou a agredi-la e enforcá-la. Na sequência, levou a vítima para fora do veículo e a matou com um bloco de concreto.

Veja também: Motorista morre após ter cabeça esmagada por ônibus em SP

O desembargador Roberto Porto, relator da apelação, argumentou que a suposta traição que a vítima teria confessado não seria “elemento a sustentar a tese de que o réu cometeu o delito sob o domínio de violenta emoção, logo em seguida a injusta provocação da vítima”.

O réu agiu, segundo Porto, de forma premeditada e voluntária ao oferecer uma carona à vítima, confirmando que ele já havia planejado o ato.

A pena fixada para o réu foi de 22 anos e seis meses de reclusão em regime fechado.

Últimas