São Paulo Veja homenagens de políticos e autoridades a Bruno Covas

Veja homenagens de políticos e autoridades a Bruno Covas

Morte do prefeito de São Paulo mobilizou personalidades de todos os espectros políticos e entidades de diversos setores

  • São Paulo | Do R7

Aos 41 anos, Bruno Covas morreu por complicações de um câncer neste domingo (16)

Aos 41 anos, Bruno Covas morreu por complicações de um câncer neste domingo (16)

TIAGO QUEIROZ - 14.10.2020/ESTADÃO CONTEÚDO

Políticos e outras figuras públicas lamentaram a morte do prefeito de São Paulo Bruno Covas (PSDB) neste domingo (16). Ele enfrentava um câncer na cárdia desde outubro de 2019.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), um dos principais aliados de Covas, lamentou a morte do prefeito Bruno Covas neste domingo (16). "São Paulo terá sempre muito orgulho desse filho querido", afirmou Doria por meio de nota.

O presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco, divulgou nota em que lamentou a morte de Covas e o chamou de "um dos maiores quadros da nossa geração, representante dos ideais da social democracia", relembrando sua "carreira vitoriosa, tristemente interrompida hoje". "Em nome do Congresso Nacional, expresso os meus profundos sentimentos de pesar ao seu filho, à sua família e à população de São Paulo", escreveu o senador, que ingressou com o tucano em 2015 na Câmara dos Deputados.

O ministro Luiz Fux, presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) e do Conselho Nacional de Justiça, manifestou-se dizendo que Covas "partiu ainda muito jovem, mas deixou valiosas lições de perseverança e esperança a todos nós. Deu grande exemplo de dedicação à vida pública. Toda a minha solidariedade à família, ao filho e aos amigos".

Em nota oficial, a bancada do PSDB na Câmara disse que "mais do que o sobrenome do avô Mário, referência para o PSDB e para a política, Bruno trazia muitas das suas qualidades: retidão de caráter, compromisso com a coisa pública, excepcional capacidade de gestão e de articulação e, acima de tudo, um democrata, que nunca abriu mão de seus princípios e do respeito aos adversários, mesmo em meio a eleições acirradas, como a última que disputou". A nota, assinada pelo deputado Rodrigo de Castro, líder do partido, diz ainda que o "PSDB perde um grande companheiro, o povo paulistano e o Brasil perdem um dos maiores líderes da sua geração. Mas seus familiares e especialmente  seu filho Tomás perdem muito mais: um pai amoroso, sempre presente e um ente insubstituível. A eles e aos amigos registramos nossa solidariedade e carinho".

O TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) divulgou nota de pesar chamando Bruno Covas de "um guerreiro que nunca desistiu". "Que sua coragem, persistência e confiança possam impregnar a todos que tenham como objetivo de vida levar à população serviço público abrangente e de qualidade", diz a nota.

"São Paulo teve um líder, um gestor e um exemplo de ser humano. Um jovem político que amava sua cidade. Descanse em paz, Bruno!", escreveu Alex Manente, líder do Cidadania na Câmara dos Deputados, em nota oficial da bancada federal do partido.

Em nota, a FNP (Frente Nacional de Prefeitos) e o Conectar (Consórcio Nacional de Vacinas das Cidades Brasileiras) lamentaram a morte e descrevem Bruno como alguém que "nunca deixou de se dedicar às causas dos municípios e de trabalhar para a melhoria de vida da população".

Paulo Skaf, presidente da Fiesp e do Ciesp, divulgou nota oficial em que lamentou a perda de "um jovem talento da política brasileira". "Assim como seu avô, o governador Mario Covas, lutou bravamente pela vida e honrou o mandato que recebeu do povo paulistano até o final, sempre com altivez. Fica o exemplo de transparência e garra com que enfrentou a doença, além do espírito público com o qual serviu a sociedade nos vários cargos que ocupou em sua breve e produtiva trajetória", diz a nota.

Luta contra o câncer

Covas foi internado no dia 2, rapidamente foi transferido para a UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e intubado, após a descoberta de um sangramento no estômago.

Na noite desta quinta-feira, o Hospital Sírio-Libanês divulgou o boletim médico do ex-prefeito dizendo que o quadro de saúde dele era irreversível. Covas estava recebendo medicamentos analgésicos e sedativos.

Mesmo no período de internação, o Covas atualizava suas redes sociais com as visitas que recebia. O ex-prefeito chegou a publicar uma foto no quarto do hospital ao lado do filho, Tomás, de 16 anos. Na ocasião, ele agradeceu as mensagens de apoio que recebia da população e demonstrou otimismo no avanço do tratamento.

Relembre a trajetória de Bruno Covas na vida política:

Últimas