Saúde Anvisa proíbe venda de pomada para trança associada a lesões nos olhos de consumidores

Anvisa proíbe venda de pomada para trança associada a lesões nos olhos de consumidores

Além dos efeitos indesejáveis, agência alega irregularidades na empresa fabricante do cosmético

Agência Estado
Alguns consumidores relataram dificuldade para enxergar após uso do produto

Alguns consumidores relataram dificuldade para enxergar após uso do produto

Freepik

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) determinou na sexta-feira (6) a proibição de uso, produção, distribuição e comercialização da Cassu Braids, uma pomada capilar usada para modelar e fixar penteados, como tranças.

O cosmético está sendo barrado por conta de efeitos indesejáveis provocados nos olhos e também por irregularidades da empresa fabricante.

A agência explicou que a medida foi tomada porque a Microfarma, que fabrica a Cassu Braids, não está regularizada para produzir a pomada.

Além disso, a empresa também está com o CNPJ inapto na Receita Federal e com a licença sanitária cancelada desde 2018.

Outro motivo apontado pela agência foi a alta quantidade de pessoas que relataram ardência nos olhos e dificuldade para enxergar após a aplicação do produto no cabelo.

A distribuidora da Cassu Braids, a Cassulinha Cabelos, afirma que o ocorrido diz respeito somente à Microfarma. A reportagem tentou entrar em contato com a fabricante, mas não conseguiu resposta.

"Os consumidores que usaram o produto relataram irritação ocular, pálpebras inchadas e dor nos olhos, além de dificuldade de enxergar, o que ocorreu ao lavarem o cabelo, após o uso do produto. Os casos estão em investigação", informou a Anvisa por meio de nota.

A agência avisa os consumidores que compraram a pomada para não usá-la e pede que entrem em contato com a Microfarma para devolução.

Últimas