Saúde Conselho de Medicina estimula médicos a combaterem fake news

Conselho de Medicina estimula médicos a combaterem fake news

Órgão regional de SP orienta profissionais a rebaterem informações falsas propagadas nas redes sociais com a publicação de posts com dados corretos

Cremesp lança iniciativa para combater fake news de saúde

Médicos são estimulados a postarem informações corretas contra fake news

Médicos são estimulados a postarem informações corretas contra fake news

Pixabay

O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) está estimulando os médicos de São Paulo a ajudarem no combate às fake news relacionadas a temas da saúde.

De acordo com o órgão, a iniciativa começou devido à rapidez e intensidade da difusão de informações sobre saúde por meio das redes sociais que, muitas vezes, foram informações falsas.

Leia também: "Vírus HIV pode ser controlado, discriminação, não", diz soropositivo

O principal alvo desses médicos é o combate às falsas informações propagadas sobre os efeitos ou os falsos perigos das vacinas, assim como as infecções por zika, chikungunya e a relação com a microcefalia, ou tratamentos milagrosos para o câncer, por exemplo.

O psiquiatra Edoardo Vattimo, coordenador do Departamento de Comunicação da Cremesp, afirma que o órgão orienta os médicos do Estado para se informarem sobre os boatos e estarem sempre bem informados sobre os temas que eles podem se deparar no dia-a-dia, estando dispostos a rebateram as falsas informações.

Leia também: ‘Supergonorreia’, doença resistente a antibióticos, preocupa médicos no Reino Unido

O combate a tais informações não se limita às redes sociais, podendo também ser levado ao próprio consultório, ajudando o paciente a se informar. "O médico, ao se deparar com uma fake news não precisa mais ficar calado, ele deve argumentar contra e explicar. Quanto mais demora a resposta àquela informação, se torna mais difícil de combatê-la", afirma Vattimo.

O coordenador afirma que a proposta é combater as falsas informações de maneira dinâmica, promovendo o debate em qualquer rede social e em grupos de trocas de mensagens. Os médicos podem, também, escrever textos informativos em seus sites e páginas sociais, desde que sigam as normas do órgão, informando o número de seu CRM.

Saiba mais: Médicos britânicos testam ‘bafômetro’ que pode detectar câncer

Vattimo recomenda que os médicos estejam sempre atentos às informações propagadas e se mobilizem para instruir corretamente a população. "O melhor combate à desinformação é a informação", finaliza.

*Estagiária do R7 sob supervisão de Deborah Giannini

Sete em cada 10 médicos não sabem identificar um infarto, diz Cremesp: