Saúde Estudo contraria ideia de que café da manhã reforçado ajuda na perda de peso

Estudo contraria ideia de que café da manhã reforçado ajuda na perda de peso

Cientistas compararam o consumo de dietas carregadas pela manhã e à noite e não observaram grande diferença entre os resultados

  • Saúde | Do R7

Resumindo a Notícia

  • Estudo contraria ideia de que café da manhã reforçado ajuda na queima de calorias
  • Dietas carregadas pela manhã não colaboram para a perda de peso
  • Cientistas compararam o consumo de pratos carregados durante a manhã e à noite
  • Resultados não mostraram diferença relevante entre os períodos
Café da manhã reforçado não otimiza queima de calorias

Café da manhã reforçado não otimiza queima de calorias

Freepik

Há uma crença popular de que o café da manhã é a refeição mais importante do dia e fornece energia para toda a rotina do indivíduo. O ditado "café da manhã como um rei, almoço como um príncipe e jantar como um mendigo" é comumente utilizado para dar credibilidade a esse pensamento.

Para grande parte das pessoas, consumir a maioria das calorias pela manhã melhora a perda de peso e a queima de calorias. Porém, um novo estudo publicado na Cell Metabolism mostrou que não é bem isso que acontece.

Para a professora e autora-sênior da pesquisa, Alexandra Johnstone, “existem muitos mitos em torno do momento de comer e como isso pode influenciar o peso corporal ou a saúde". Buscando pôr fim a essas dúvidas, os cientistas descobriram que ingerir a "maior refeição" no começo ou final do dia não interfere na forma pela qual o corpo metaboliza as calorias. 

Os pesquisadores contaram com 15 homens e 14 mulheres que eram considerados saudáveis, mas estavam acima do peso ou obesos. Os voluntários foram submetidos a dietas controladas e a medições diárias de metabolismo.

Cada participante recebeu aleatoriamente, por uma semana, uma dieta isocalórica — equilibrada com 30% de proteína, 35% de carboidrato e 35% de gordura.

Após esse período, as pessoas passaram a consumir as refeições carregadas pela manhã ou à noite, durante quatro semanas. 

No geral, os cientistas perceberam que os gastos de energia e a perda total de peso foram os mesmos nas dietas carregadas no período matutino e noturno. Os voluntários tiveram uma perda média de 3 kg.

Porém, os indivíduos que comiam a maior refeição pela manhã relataram sentir menos fome no fim do dia, o que poderia facilitar a perda de peso.

“Os participantes contaram que seu apetite era mais bem controlado nos dias em que tomavam um café da manhã maior e que se sentiam saciados durante o resto do dia”, diz Johnstone.

Para ela, “isso pode ser bastante útil no ambiente do mundo real", pois mudanças comportamentais podem tornar a dieta carregada pela manhã mais benéfica.

A autora-sênior declara ainda que o experimento pode ser aplicado ao jejum intermitente, para determinar a melhor hora do dia para as pessoas, que seguem a estratégia, consumirem calorias.

A única limitação do estudo foi o fato de os testes terem sido conduzidos durante a vida livre, não no laboratório. Ademais, algumas medidas metabólicas ficavam disponíveis apenas pela manhã, não após o jantar.

Pensando em planos futuros, os cientistas pretendem ampliar as pesquisas sobre a maneira como o horário afeta o metabolismo, por exemplo, em pessoas que trabalham por turnos — é possível que elas tenham respostas metabólicas diferentes devido às alterações entre dia e noite. 

Johnstone reitera, no entanto, que "uma coisa importante de notar é que, quando se trata de tempo e dieta, provavelmente não haverá uma dieta que sirva para todos".

Segundo ela, as descobertas visadas pelo grupo "serão o futuro dos estudos de dieta, mas é algo muito difícil de medir."

Olhar e sentir o cheiro de comida gostosa já pode aumentar o risco de diabetes; entenda

Últimas