Saúde Estudo identifica 44 variações genéticas para risco de depressão

Estudo identifica 44 variações genéticas para risco de depressão

Todos carregam ao menos algumas dessas variações; descoberta abre caminho para o desenvolvimento de novas terapias de tratamento

Estudo identifica 44 variações genéticas que aumentam risco de depressão

A depressão afeta 14% das pessoas de todo o mundo

A depressão afeta 14% das pessoas de todo o mundo

Pexels

Cientistas identificaram 44 variações genéticas que podem aumentar o risco de desenvolver depressão e descobriram que todos as pessoas carregam ao menos algumas delas.

A nova descoberta pode ajudar a explicar o porquê de nem todas as pessoas tratadas com antidepressivos terem melhorias em suas condições, segundo os cientistas, e também pode apontar a direção para novos remédios.

No maior estudo sobre o assunto, cientistas também descobriram que a base genética para a depressão é compartilhada com outros transtornos psiquiátricos, como esquizofrenia, e que diversas variações estão ligadas aos alvos de remédios antidepressivos.

Leia também: 30% das vítimas da tragédia de Mariana sofrem de depressão

A depressão afeta cerca de 14% das pessoas em todo o mundo e é o maior contribuinte para incapacidade a longo prazo na população geral. Somente cerca de metade dos pacientes responde bem aos tratamentos existentes.

“As novas variações genéticas descobertas têm o potencial de revitalizar o tratamento da depressão ao abrir caminhos para a descoberta de terapias novas e melhoradas”, disse Gerome Breen, da King’s College, em Londres, que trabalhou na equipe de pesquisa.

O estudo, publicado nesta quinta-feira (26) no jornal Nature Genetics, é um esforço global, com dados de mais de 135 mil pacientes com depressão e cerca de 344 mil pessoas usadas para comparações.

Saiba mais: Fazer atividade física pode ser um "remédio" poderoso contra a depressão

“O estudo colocou uma luz na base genética da depressão, mas este é somente o primeiro passo”, disse Cathryn Lewis, outra especialista da King’s College que trabalhou na equipe.

“Nós precisamos de mais pesquisas para descobrir mais sobre as bases genéticas, e para entender como a genética e fatores ambientais estressantes podem trabalhar juntos para aumentar o risco de depressão.”