Saúde Fiocruz não recomenda retomada de eventos com aglomeração

Fiocruz não recomenda retomada de eventos com aglomeração

Fundação Oswaldo Cruz destaca que retomada só deverá ocorrer quando 80% da população estiver completamente vacinada

  • Saúde | Do R7

Apenas 56% da população brasileira está completamente vacinada contra a Covid-19

Apenas 56% da população brasileira está completamente vacinada contra a Covid-19

Reprodução/Freepik

O Boletim do Observatório Covid-19 da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) divulgado nesta quinta-feira (4) não recomenda a retomada irrestrita de eventos com aglomeração antes que 80% da população brasileira esteja completamente vacinada, seja com as duas doses de uma vacina anti-Covid ou com um imunizante de dose única.

De acordo com o Localiza SUS, a plataforma do Ministério da Saúde, apenas 56% da população está com o esquema vacinal completo. Para os pesquisadores responsáveis pelo boletim, a meta de imunização deve incluir crianças e adolescentes.

“Vale lembrar que a população de adolescentes, pelo tipo de comportamento social que tem, é um dos grupos com maior intensidade de circulação nas ruas e convive com outros grupos etários e sociais mais vulneráveis. Por isso, é equivocado pensar que, com a população somente adulta coberta adequadamente, a retomada irrestrita dos hábitos que aglomeram pessoas é possível”, afirmaram por meio de nota.

Os cientistas também destacam que países do Leste Europeu e os Estados Unidos vêm apresentando surtos de Covid-19 em decorrência da baixa cobertura vacinal, o que, para eles, deve ser evitado no Brasil.

“A recomendação é que, enquanto caminhamos para um patamar ideal de cobertura vacinal, medidas de distanciamento físico, uso de máscara e higienização das mãos sejam mantidas e que a realização de atividades que representem maior concentração e aglomeração de pessoas só sejam realizadas com comprovante de vacinação”, ressaltaram.

Números da pandemia

Segundo o Boletim do Observatório Covid-19, o cenário brasileiro ainda é de estabilidade das taxas de transmissão do vírus Sars-CoV-2. Dados da semana epidemiológica 43, período entre 24 e 30 de outubro, indicam uma redução diária de 0,7% do número de novos casos.

O número de óbitos, no entanto, registrou 0,4% de redução, uma velocidade menor depois de 14 semanas de declínio acelerado e sustentado com velocidade de 1% a 2%. A Fiocruz destaca que, embora o registro de casos e de mortes por Covid-19 se mantenha em trajetória descendente, a taxa de positividade dos testes de diagnóstico permanece alta.

“Isso pode ser atribuído à exposição ao vírus e à presença de indivíduos fora de casa. O Índice de Permanência Domiciliar mostra, por exemplo, que há mais pessoas nas ruas do que antes da pandemia”, ressalta o boletim.

A taxa de ocupação de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para adultos no SUS se mantém em patamares inferiores a 50% na maior parte dos estados, com exceção do Espírito Santo, que permanece na zona de alerta intermediário, com 67% de ocupação. Apenas dois estados registram aumento expressivo: Pará (34% para 47%) e Rio Grande do Norte (41% para 50%).

Últimas