Saúde 'Fui ao pronto-socorro com gripe e saí com perna e braço amputados', diz vítima de infecção

'Fui ao pronto-socorro com gripe e saí com perna e braço amputados', diz vítima de infecção

Britânico perdeu membros após desmaiar devido a um surto não diagnosticado que fez coração, fígado e pulmões falharem

  • Saúde | Maria Cunha*, do R7

Resumindo a Notícia

  • Junaid Ahmed teve uma perna, dedos e um braço amputados após uma sepse.
  • Britânico foi ao hospital ao achar que estava com gripe e desmaiou no local.
  • Ahmed acordou seis semanas depois e descobriu que seus órgãos estavam falhando.
  • Agora, ele tenta arrecadar 100 mil libras esterlinas para comprar um braço biônico.
Após infecção generalizada, homem teve perna e braço amputados

Após infecção generalizada, homem teve perna e braço amputados

Reprodução/Go Fund Me; Reprodução TikTok/@junaidz_world

O britânico Junaid Ahmed, de 35 anos, foi ao hospital para lidar com uma gripe. No entanto, ele não esperava que passaria seis semanas em coma induzido e acabaria tendo a perna e o braço amputados após lutar contra uma sepse — uma infecção generalizada. 

Pai de dois filhos, o homem está atualmente tentando arrecadar 100 mil libras esterlinas (cerca de R$ 639,4 mil) por meio de uma página do GoFundMe, para comprar um braço biônico e poder abraçar as crianças novamente.

Tudo começou quando Ahmed sentiu dores no pé direito. Duas semanas depois, ele conta que estava com febre alta e acreditou estar com gripe, o que o fez ir ao hospital local, onde acabou desmaiando.

"Acordei seis semanas depois, na terapia intensiva do hospital. Eu estava em coma induzido porque todos os meus órgãos estavam falhando. Descobri que tinha sepse e uma doença muito rara chamada HLH", explica o britânico. 


A HLH (linfohistiocitose hemofagocítica) é uma doença de caráter inflamatório que leva à superestimulação do sistema imunológico por meio de uma hipercitocinemia.

Em razão disso, a difusão de sangue que Ahmed recebeu fez com que algumas partes do corpo dele não tivessem sangue de volta a elas e ficassem completamente mortas, como a perna direita, os dedos do pé esquerdo e o braço esquerdo, que tiveram que ser amputados.

"A última coisa de que me lembro é comer algo com minha esposa enquanto esperávamos atendimento", conta ao tabloide britânico Daily Star. "Acordar seis semanas depois foi o maior choque da minha vida. Eu estava apavorado e tão confuso."



Os médicos puseram Ahmed em coma induzido depois de descobrir que a sepse maciça causou falha no fígado, no coração e nos pulmões do homem. Eles acreditam que ele contraiu a infecção depois de passar por um procedimento médico duvidoso em sua coluna, após uma crise de dor nas costas.

Assim, ele foi submetido a duas cirurgias de amputação de quatro horas de duração, antes de passar mais dois meses no hospital University College London para reabilitação.

Nesse período de recuperação, ele afirma que as enfermeiras foram essenciais. "Toda vez que eu dizia às enfermeiras que 'não poderia fazer isso', elas me respondiam que 'não era uma opção'. Era o amor duro de que eu precisava."

Além disso, Ahmed afirma que continuou pensando na esposa e nos filhos, o que o fez continuar. "Depois de duas semanas, vi uma grande melhora em minha força", diz.

Agora, já em casa e ansioso para voltar à vida normal o mais rápido possível, ele acrescenta: "A vida é diferente; meus dentes se tornaram meu antebraço 'esquerdo' e usei minha axila esquerda para usar xampu, mas estou me recuperando".

* Estagiária do R7, sob supervisão de Fabíola Glenia

Últimas