Saúde Homem desafia expectativas e comemora 50 anos de transplante renal

Homem desafia expectativas e comemora 50 anos de transplante renal

Aposentado recebeu órgão da irmã nove anos mais velha e superou a média de vida do rim transplantado, que é de 15 a 25 anos

  • Saúde | Ferraz Jr, do Jornal da USP

O aposentado Antonio Ferreira de Campos comemora 50 anos de transplante de rim bem-sucedido

O aposentado Antonio Ferreira de Campos comemora 50 anos de transplante de rim bem-sucedido

Vladimir Tasca/SCS Polo Ribeirão Preto

A maior expectativa de quem se submete a um transplante é conseguir viver bem com o novo órgão e por muito tempo. Segundo a Sociedade Brasileira de Nefrologia, a expectativa de vida média dos rins transplantados varia de 15 a 25 anos. Entretanto, alguns casos ousam contrariar essas estimativas.

Antônio Ferreira de Campos é um exemplo e prova viva de que um transplante bem-sucedido pode proporcionar uma vida longa e com qualidade.

No último dia 25 de outubro, ele comemorou 50 anos do seu transplante renal feito no HCFMUSP (Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina), com um detalhe: o rim recebido é nove anos mais velho que ele. Em outubro, ele também fez outro aniversário, o de 73 anos de idade.

Economista aposentado, natural de Iacanga, na região de Bauru, e residente em Ribeirão Preto, “seu” Antônio passou por um transplante de rins aos 23 anos, após sofrer com um caso de nefrite crônica que se manifestou na adolescência.

“Mais ou menos em julho de 1972, meus rins pararam de vez e eu precisei ser internado no Hospital das Clínicas em São Paulo para fazer um tratamento com hemodiálise”.

Classificada como uma inflamação, a nefrite ataca os glomérulos renais — estruturas dos rins responsáveis por eliminar as toxinas e outros componentes em excesso do organismo. A doença causa inchaço nas extremidades, além da dificuldade em urinar.

Em determinado momento, ele teve que travar outra batalha: a de encontrar um doador compatível. Mas esse foi o menor dos problemas. 

“A minha irmã Olímpia, na época com 32 anos, logo se ofereceu para ser minha doadora. Fiquei internado três meses aguardando uma vaga para que a cirurgia pudesse ser efetuada”, afirma.

Nova vida no pós-operatório

Natação é uma das atividades que “seu” Antonio passou a praticar depois do transplante

Natação é uma das atividades que “seu” Antonio passou a praticar depois do transplante

Vladimir Tasca/SCS Polo Ribeirão Preto

Apesar do sucesso na cirurgia, a rotina de cuidados continua constante. Alguns anos após a cirurgia, ele se mudou para Ribeirão Preto em função do trabalho e passou a ser acompanhado pelo HC-FMRP (Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto) da USP.

“Durante os últimos 50 anos, minha dependência do ambulatório do HC foi muito intensa. Tenho exames de rotina de três em três meses, além dos remédios imunossupressores que são diários”, conta o aposentado.

“Seu” Antônio conta que precisou mudar a rotina no pós-operatório. “Nos primeiros dias após o transplante, com meu 1,70 metro de altura, eu cheguei a pesar cerca de 45 kg. Após três meses da cirurgia, eu já pesava 90 kg. A bronca do médico foi imediata e eu precisei chegar aos 70 kg. Peso que mantenho até hoje.”

Além da dieta alimentar e dos cuidados médicos, ele pratica natação e musculação com regularidade.

O médico e professor da Divisão de Nefrologia do HC-FMRP, Miguel Moyses Neto, acompanha de perto a rotina de cuidados de “seu” Antônio e afirma que mesmo com todas as dificuldades atreladas à idade do paciente e ao tempo do transplante, ele conseguiu se cuidar muito bem.

“Nós verificamos que, mesmo após tanto tempo, ele conseguiu superar todas as adversidades, foi privilegiado” afirma o professor.

Avanços no transplante de órgãos

O professor afirma que uma das maiores mudanças que aconteceram durante esses 50 anos foi o desenvolvimento e a descoberta de novas drogas, menos nocivas para o organismo humano.

Segundo ele, essas novas drogas permitiram uma queda considerável na taxa de rejeição dos órgãos transplantados, de 60% para menos de 10%, o que possibilita que o transplante dure mais.

“As inovações que ocorreram nos exames feitos antes da cirurgia ser realizada, como de sangue e imagem, por exemplo,  são determinantes para promover maior eficiência e segurança para quem recebe o órgão transplantado”, assegura.

Os primeiros transplantes foram realizados na década de 1960. De lá para cá, o número de pessoas beneficiadas só tem aumentado. Hoje, o Brasil tem cerca de 37 mil pessoas que esperam receber um transplante de órgão, sendo 34 mil na fila de espera por um rim, segundo dados do SNT (Sistema Nacional de Transplantes) do Ministério da Saúde.

Últimas