Saúde Ministério da Saúde compra 750 mil novas doses de Coronavac

Ministério da Saúde compra 750 mil novas doses de Coronavac

Segundo a pasta, as primeiras remessas devem ser distribuídas para dar continuidade a vacinação de crianças de 3 a 11 anos

  • Saúde | Do R7

Resumindo a Notícia

  • Ministério da Saúde anunciou a compra de 750 mil doses de Coronavac
  • As primeiras remessas devem ser distribuídas para dar continuidade a vacinação infantil
  • Novo contrato vai garantir a compra de 2,6 milhões de doses no total
  • Diversas cidades do país suspenderam a vacinação pela falta de doses
Novo contrato vai garantir a compra de 2,6 milhões de doses no total

Novo contrato vai garantir a compra de 2,6 milhões de doses no total

Instituto Butantan/Divulgação

O Ministério da Saúde confirmou, nesta sexta-feira (6), a compra de mais 750 mil doses de vacinas Coronavac, produzidas pelo Instituto Butantan.

Segundo nota divulgada pela pasta, um novo contrato deve ser assinado nos próximos dias, garantindo a compra de 2,6 milhões de doses no total. As primeiras remessas devem ser entregues já na próxima semana.

"As primeiras doses devem ser distribuídas a todos os estados e Distrito Federal para dar continuidade a vacinação de crianças de 3 a 11 anos. A pasta segue em tratativas com os laboratórios para garantir mais imunizantes para o público infantil o mais breve possível", informou o Ministério da Saúde.

A vacinação infantil contra a Covid-19 foi suspensa em diversas cidades do país, nas últimas semanas, devido à falta de doses. A Prefeitura de Belo Horizonte, por exemplo, informou, no dia 4 deste mês, que a última vez que a cidade recebeu um carregamento do Ministério da Saúde foi em 21 de novembro de 2022.

Uma pesquisa feita pela CNM (Confederação Nacional de Municípios), em dezembro do ano passado, mostrou que pelo menos uma em cada cinco cidades brasileiras relatou falta de doses para vacinar crianças de 3 a 11 anos contra a Covid-19.

O levantamento indicou ainda que a maioria teve aumento de casos da doença e de procura por testes e volta da recomendação do uso de máscara.

Últimas