Mudança na cor da urina, anemia e fadiga são alguns sinais de insuficiência renal crônica

Porém, muitas pessoas não apresentam sintomas da doença

Mudança na cor da urina, anemia e fadiga são alguns sinais de insuficiência renal crônica

Rins têm função essencial no organismo

Rins têm função essencial no organismo

Thinkstock

Mau hálito, mudança na cor da urina, tonturas, dor súbita, anemia, fadiga ou cansaço e sensação de frio o tempo todo podem ser sinais de insuficiência renal crônica, doença que pode levar à falência dos rins.

Geralmente, os sintomas aparecem de forma lenta e nem sempre são específicos da doença. Há pessoas que se quer apresentam qualquer sintoma. Apenas exames de laboratório podem apontar o problema.

De acordo com o urologista Flávio Iizuka, diretor da Clínica Climedin, "muitos pacientes descobrem tardiamente que os rins estão parando de funcionar, justamente por ser um problema silencioso, sem sinais".

— Quando a pessoa descobre a insuficiência, já está na hora de fazer o transplante.

Atualmente, mais de 35 mil brasileiros sofrem com insuficiência renal crônica e fazem tratamento no Brasil. Mas apenas 10% dos 22 mil brasileiros que estão na lista de espera para conseguir um novo órgão conseguem receber o órgão. No Hospital do Rim, em São Paulo, por exemplo, mais de 5.000 pessoas aguardam por uma doação. 

O especialista também chama atenção para os perigos nos hábitos inconsequentes de muitos brasileiros: a automedicação.

— Isso é fator preocupante para esta enfermidade, pois pode afetar a função renal. Em alguns casos, a pessoa apresenta cólica ou até mesmo uma infecção urinária e toma algum tipo de analgésico, o que futuramente pode agravar o problema.

Por ser um órgão vital ao organismo e com a responsabilidade de eliminar as toxinas por meio da urina, o mau funcionamento do rim pode resultar em acúmulo de cálcio, fosfato e desequilíbrio na pressão sanguínea.

Veja dicas do urologista para preservar o bom funcionamento dos rins:

Consumir 2 litros de água por dia

Evitar o uso frequente de analgésicos;

Consumir proteína de forma moderada;

Não ingerir sal em excesso;

Não fumar;

Consumir pouca cafeína;

Fazer uso moderado de bebidas alcoólicas;

Não menosprezar o tratamento de infecções comuns