Saúde Neurofeedback: técnica pode ser aliada no tratamento de ansiedade e depressão; saiba mais

Neurofeedback: técnica pode ser aliada no tratamento de ansiedade e depressão; saiba mais

Método ensina cérebro a modificar ondas 'problemáticas' e transformá-las em adequadas, de modo a diminuir sintomas

  • Saúde | Giovanna Borielo, do R7

Neurofeedback ensina cérebro a funcionar do jeito 'certo'

Neurofeedback ensina cérebro a funcionar do jeito 'certo'

Pixabay/Ulrich

Difundido no fim dos anos 1990 e começo dos anos 2000 no Brasil, mas com maior popularização a partir de 2010, o neurofeedback é uma estratégia não invasiva que busca modificar as ondas cerebrais para tratar quadros de depressão, ansiedade, insônia e enxaqueca. 

"A técnica envolve a neuromodulação, ou seja, modificamos o funcionamento da atividade do cérebro. Os pacientes apresentam queixas que, em parte, são causadas por um padrão de atividade cerebral. Desse modo, nosso objetivo é treinar o cérebro do paciente para que ele possa produzir uma atividade que reduza os sintomas de que ele se queixa", explica o psicólogo Giuliano Ginani, da SBNp (Sociedade Brasileira de Neuropsicologia).

O funcionamento normal do cérebro — as ondas neurais — é afetado quando um indivíduo sofre de algum transtorno, como depressão e ansiedade, por exemplo. A frequência das ondas emitidas é diferente. 

A ideia do neurofeedback é ajustá-las, de modo que voltem ao padrão considerado adequado para as funções. 

Antes de começar o tratamento, o paciente tem de passar por uma consulta com o profissional, para relatar seus sintomas.

Depois, para entender a frequência de suas ondas cerebrais, ele é submetido a um EEG (eletroencefalograma), que mapeará a atividade cerebral e indicadores fisiológicos associados ao quadro e, assim, é feito o plano de ação para a neuromodulação. 

A psicóloga Patrícia Rodini, da Clínica Azen Corpo e Saúde, afirma que, toda vez que os sensores captam uma onda indesejada, os computadores emitem sinais auditivos ou visuais que são interpretados pelo cérebro como negativos, o que veta a emissão da onda e condiciona o cérebro a entender que elas não devem ser emitidas.

Da mesma maneira, quando são percebidas ondas positivas, são enviados sinais que incentivam a sua manifestação. 

Assim, o paciente aprende a controlar, de forma voluntária, as ondas cerebrais que serão emitidas. 

Por se tratar de um novo ensinamento ao cérebro, que modifica os padrões a que o órgão já estava habituado, são recomendadas, a princípio, de 30 a 40 sessões, com a frequência de duas vezes na semana, e duração de 30 a 60 minutos cada.

No entanto, os psicólogos afirmam que a quantidade total pode variar conforme o quadro de cada paciente e de sua gravidade.

A psiquiatra Jéssica Martani diz que pessoas de todas as faixas etárias, a partir dos 6 anos, podem fazer o treinamento, associado ou não ao uso de medicamentos para cada condição, conforme a prescrição médica.

"Em alguns casos, o neurofeedback é aplicado em pacientes com dificuldade de adesão ao tratamento medicamentoso, exatamente por não gerar efeitos colaterais como as medicações", alega Ginani.

Porém, o neurofeedback não é recomendado a pacientes que tenham algumas condições neurológicas graves, como epilepsia não controlada. 

Condições beneficiadas

Entre as condições que podem se beneficiar com a terapia, Patrícia elenca:

• TDAH (transtorno de déficit de atenção e hiperatividade);
• TEPT (transtorno do estresse pós-traumático);
• Ansiedade;
• Depressão;
• Dificuldade de concentração;
• Dificuldade de memória;
• Distúrbio de aprendizagem;
• Enxaqueca;
• Estresse;
• Fibromialgia;
• Hiperatividade;
• Insônia;
• Síndrome do pânico;
• Transtornos alimentares; 
• Compulsões e vícios em geral

A psiquiatra lembra que o neurofeedback é considerado uma abordagem terapêutica complementar e integrativa, pois busca regular o cérebro e melhorar o funcionamento cognitivo e emocional.

• Compartilhe esta notícia no WhatsApp
• Compartilhe esta notícia no Telegram

"Embora seja amplamente utilizado em clínicas e centros de saúde mental, nem todos os países o reconhecem como terapia convencional. Em alguns contextos, pode ser considerado uma terapia alternativa ou complementar."

Patrícia afirma que não existem restrições no Brasil para a utilização da técnica, que também é difundida internacionalmente, com organizações internacionais, como a BCIA (Biofeedback Certification International Alliance), ISNR (International Society for Neuroregulation & Research) e BFE (Biofeedback Federation of Europe).

Atualmente, no país o tratamento é oferecido apenas em clínicas particulares.

A invenção do neurofeedback

Patrícia conta que o neurofeedback foi desenvolvido na década de 1960, pelo americano Joseph Kamiya. O cientista descobriu que era possível controlar e reforçar a atividade cerebral através de um incentivo verbal positivo.

Em 1968, Barry Sterman mostrou em um experimento que a alteração de ondas cerebrais reduzia ataques epiléticos em gatos. Primeiro, o cientista ensinou a cerca de 30 gatos que, ao acionar uma alavanca em uma gaiola, eles receberiam comida.

Depois, ele acrescentou um sinal sonoro e, caso os gatos acionassem a alavanca durante a emissão do som, eles não receberiam o alimento.

A equipe de Sterman percebeu que os gatos ficavam imóveis diante do som e que seu estado mental era alterado, estando alerta para quando a reprodução parasse. 

Em novo experimento, sem alavancas, os gatos precisavam reproduzir a mesma frequência de ondas cerebrais por si só para receber a comida, sendo avaliados por meio de EEG.

Os pesquisadores perceberam que os felinos foram capazes não só de reproduzir as ondas cerebrais nas frequências desejadas, como o aumento da atividade cerebral diminuiu o estresse dos animais e melhorou sua qualidade de sono.

Para atestar os efeitos, Sterman fez o contrário — reduziu a emissão de ondas. Como resultado, ele percebeu que os gatos ficaram mais agitados fisicamente. 

Veja sete dicas que podem ajudá-lo no combate à ansiedade:

Últimas