Saúde OMS aponta queda nos casos de Covid-19 no mundo, mas pede atenção com testes

OMS aponta queda nos casos de Covid-19 no mundo, mas pede atenção com testes

A organização afirmou que muitos países estão mudando as estratégias de testagem, o que pode ter impactado a contagem

Agência EFE
O número total de positivos para o novo coronavírus é de 480 milhões

O número total de positivos para o novo coronavírus é de 480 milhões

Ivan Alvarado/Reuters

A OMS (Organização Mundial da Saúde) afirmou nesta quarta-feira (30) que o número de casos de Covid-19 na última semana foi de 10,8 milhões, o que representa 14% de queda na comparação com os sete dias anteriores. A agência apelou para que não se reduza a aplicação de testes de detecção da doença.

De 21 a 27 de março, todas as regiões registraram uma redução no número de positivos. Nas Américas, a queda foi de 14%, com 634 mil casos. Na Ásia Oriental (4,6 milhões), foi de 24%; na Ásia Meridional (232 mil), de 14%; e na Europa (5,2 milhões), de 4%.

A Coreia do Sul, como já vem acontecendo nas últimas semanas, foi o país que apresentou contágio mais elevado, com 2,4 milhões de casos, o que indica uma redução de 13% na comparação com os sete dias anteriores.

Em seguida vêm a Alemanha, com 1,5 milhão; o Vietnã, com 1,1 milhão; a França, com 845 mil; e a Itália, com 503 mil.

Em pouco mais de dois anos de pandemia, o número total de positivos para o novo coronavírus é de 480 milhões.

Aumento nas mortes

Os dados divulgados hoje pela OMS, por sua vez, mostram uma forte alta de 45% no número mortes provocadas pela Covid-19, que foram 45,7 mil em todo o planeta.

De acordo com a agência, a elevação na curva de vítimas se dá principalmente por modificações técnicas na contagem de países como Estados Unidos, Chile e Índia, que reportaram óbitos de meses anteriores na última semana.

O Chile foi o país que mais registrou mortes na semana passada, com 11,8 mil, devido à inclusão de vítimas prováveis da Covid-19 que tinham sido notificadas nos últimos meses.

Depois, aparecem na lista os Estados Unidos (5.300 mortos), a Índia (4.500), a Rússia (2.800) e a Coreia do Sul (2.400).

Desde o início da pandemia, pelo menos 6,12 milhões de pessoas morreram por causa do novo coronavírus. A Covid-19, dessa forma, se transformou na doença infecciosa com maior número de vítimas nos últimos dois anos.

Nos últimos 30 dias, 99,7% dos casos analisados em laboratório mostraram que se tratava de contágio pela variante Ômicron.

OMS pede cautela

Segundo a OMS, os números atuais "devem ser interpretados com cautela, em razão de muitos países estarem mudando as estratégias" ao realizar os testes de detecção, o que traz como consequência um menor número de casos detectados, como, por exemplo, nos Estados Unidos, em que há alto contágio.

"Os dados são cada vez menos representativos, menos pontuais e menos sólidos", apontou a agência da ONU, através de comunicado.

Essa tendência "dificulta a capacidade de ver onde está o vírus, como ele está sendo transmitido e como evolui".

Isso "poderia ter como consequência no futuro um aumento no número de hospitalizações e de mortes. É cedo demais para reduzir o nível de vigilância", alerta a OMS.  

Últimas