Saúde OMS: número de mortes por Covid é quase três vezes maior que o registrado oficialmente

OMS: número de mortes por Covid é quase três vezes maior que o registrado oficialmente

A organização acredita que pelo menos 20 milhões de óbitos não tenham sido notificados

AFP
  • Saúde | por AFP

Resumindo a Notícia
  • O número de mortes por Covid é maior que o notificado oficialmente.

  • A estimativa é da OMS (Organização Mundial da Saúde).

  • A falta de infraestrutura de alguns países pode ter atrasado a detecção do vírus.

  • A OMS estima que só entre 2020 e 2021 tenham morrido quase 15 milhões de pessoas.

De acordo com a OMS, mortes por Covid estão subnotificadas

De acordo com a OMS, mortes por Covid estão subnotificadas

Joseph Prezioso / AFP - 11.1.2021

A OMS (Organização Mundial da Saúde) estimou nesta sexta-feira (5) que a Covid-19 tenha deixado "pelo menos 20 milhões" de mortos, praticamente o triplo do saldo de vítimas registrado oficialmente.

A grande variedade de métodos de contagem e a sensibilidade política dessas estatísticas muitas vezes tornam impossível saber o número exato de mortes.

Perto de 7 milhões de mortes no mundo

O número oficial de óbitos por Covid-19 informado pela OMS até 3 de maio é de 6,9 ​​milhões, segundo seu site, que é continuamente atualizado.

Mas pesquisadores da agência de saúde das Nações Unidas explicaram em um artigo na revista Nature, em dezembro, que os dados estão longe da realidade.

Devido à falta de infraestrutura de saúde, alguns países demoraram muito mais do que outros para detectar o vírus e, portanto, notificá-lo como causa de morte.

Compartilhe esta notícia no WhatsApp

Os critérios também variam muito de um país para outro. Desde o fim do ano, apenas as pessoas que morreram diretamente de insuficiência respiratória relacionada à Covid-19 foram contabilizadas nas estatísticas na China, uma mudança na metodologia que pode subestimar o número real de vítimas.

O chefe da seção de estimativas demográficas da divisão de população da ONU, Patrick Gerland, explicou à AFP que, para alguns países, "é muito complicado" obter dados sobre mortalidade.

A ONU espera, por exemplo, que a Índia forneça "resultados sobre taxas de mortalidade por idade e sexo" com base em um sistema de projeções por amostragem (Sistema de Registro de Amostras, em inglês). Os últimos dados disponíveis são de 2019.

Mortes ligadas direta ou indiretamente à pandemia

A OMS conta com a medição do "excesso de mortalidade" para compensar essa falta de dados confiáveis ​​e comparáveis.

O excesso de mortalidade é a diferença entre o número de mortes reais e o número estimado de mortes na ausência de uma pandemia.

A OMS estimou que, somente no biênio 2020-2021, quase 15 milhões de pessoas morreram em todo o mundo de Covid-19 ou de "outros problemas de saúde para pessoas que não tiveram acesso a cuidados porque os sistemas de saúde ficaram sobrecarregados".

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, reviu essa cifra para cima nesta sexta-feira (5) em uma conferência de imprensa. "Pelo menos 20 milhões" de pessoas morreram desde o início da pandemia, afirmou ele.

Brasil tem 6 hospitais na lista dos melhores do mundo; saiba quais são

Últimas