OMS: resistência antimicrobiana é tão perigosa como uma pandemia

Diretor da entidade afirmou nesta sexta-feira que fenômeno 'poderia destruir um século de progressos médicos'

Superbactérias são um desafio para a ciência

Superbactérias são um desafio para a ciência

National Institute of Allergy and Infectious Diseases, National Institutes of Health

O fenômeno mundial da resistência antimicrobiana, tão perigoso quanto uma pandemia, ameaça destruir um século de progresso médico, alertou a OMS (Organização Mundial da Saúde) nesta sexta-feira (20).

A resistência aos antimicrobianos ocorre quando as bactérias, os vírus, os fungos e os parasitas são resistentes aos efeitos dos medicamentos, incluindo os antibióticos, o que dificulta o tratamento das infecções comuns e aumenta o risco de propagação de doenças, formas graves de infecção e morte.

Por conta da Semana Mundial dos Antimicrobianos (de 18 a 24 de novembro), a OMS, em colaboração com a FAO (Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação) e a OIE (Organização Mundial de Saúde Animal), lançou nesta sexta-feira um grupo de alto nível "encarregado de combater a crise que se acelera da resistência aos medicamentos".

Leia também: Diabetes descontrolado é 'ambiente perfeito' para superbactéria

Suas duas presidentes são a primeira-ministra do Bangladesh, Sheikh Hasina, e sua homóloga de Barbados, Mia Mottley.

Este grupo reunirá chefes de Estado, ministros e líderes de empresas e organizações da sociedade civil.

"A resistência aos antimicrobianos não parece tão urgente como uma pandemia, mas é igualmente perigosa", afirmou o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em uma coletiva de imprensa.

A resistência aos antimicrobianos é "uma das maiores ameaças para a saúde do nosso tempo" que "poderia destruir um século de progressos médicos e nos deixa indefesos diante de infecções que hoje podem ser tratadas facilmente", alertou.

Os antimicrobianos são armas essenciais para combater as doenças nos seres humanos, nos animais e nas plantas. Incluem antibióticos, antivirais, antifúngicos e antiparasitários.

Sete bactérias e fungos que podem ser fatais para humanos: