Saúde Poucos casos graves da Ômicron foram detectados na África do Sul

Poucos casos graves da Ômicron foram detectados na África do Sul

Segundo a OMS, a nova cepa fez aumentar em 93% o número de novos casos de Covid-19 no continente africano

AFP
  • Saúde | por AFP

A África Austral registrou o maior aumento do número de novos casos, com média de 140%

A África Austral registrou o maior aumento do número de novos casos, com média de 140%

Sumaya Hisham/Reuters - 28.11.2021

Os casos de Covid-19 aumentaram 93% na África em uma semana, informou o escritório regional da OMS (Organização Mundial de Saúde), que também relatou que poucos dos casos da variante Ômicron detectados na África do Sul foram graves.

Em seu briefing semanal, o Escritório Regional da OMS para a África destacou a necessidade de melhorar a cobertura de vacinação no continente, que continua com um média muito baixa.

Na África, foram registrados mais de 107.000 casos de Covid-19 durante a semana que terminou em 5 de dezembro, em comparação com 55.000 na semana anterior. A parte desses casos relacionadas à variante Ômicron ainda não foi determinada.

A África Austral registrou o maior aumento, com média de 140%.

Os primeiros dados da África do Sul mostram que a "variante Ômicron pode causar formas menos graves da doença", especifica a OMS-África em comunicado divulgado paralelamente à reunião.

Entre 14 de novembro e 4 de dezembro, a taxa de ocupação dos leitos de terapia intensiva era de apenas 6,3%. De acordo com a mesma fonte, "a África representa atualmente 46% dos quase 1.000 casos da Ômicron relatados por 57 países em todo o mundo".

Até a data, dez países africanos notificaram casos desse tipo.

O escritório regional da OMS destacou que apenas 7,8% dos africanos foram totalmente vacinados contra a Covid-19.

Richard Mihigo, coordenador do programa de vacinação da OMS na África, insistiu que a situação "é perigosa e não pode continuar".

Também observou que o fornecimento de vacinas no continente continua melhorando e que é necessário avançar no "desdobramento" e na administração das doses, em particular às pessoas mais vulneráveis.

Últimas