Saúde Queda da cobertura vacinal infantil coloca Brasil sob ameaça de surtos de doenças do passado

Queda da cobertura vacinal infantil coloca Brasil sob ameaça de surtos de doenças do passado

Isabella Ballalai, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações, alerta sobre risco do reaparecimento da poliomielite, que já foi erradicada no país

  • Saúde | Carla Canteras, do R7

Baixa adesão à vacinação contra a poliomielite deixa país suscetível à volta da doença

Baixa adesão à vacinação contra a poliomielite deixa país suscetível à volta da doença

Flickr/Ministério da Saúde

Desde 2015 o Brasil sofre quedas constantes na cobertura vacinal de crianças, situação que ficou ainda pior nos últimos dois anos devido à pandemia de Covid-19. Dados do Sistema de Informação do PNI (Programa Nacional de Imunizações) de 2021 mostram que, entre as 15 vacinas que fazem parte do calendário do Ministério da Saúde, pelo menos nove tiveram uma redução brusca no número de aplicações. 

Apenas dois imunizantes – a vacina tríplice viral (contra sarampo, caxumba e rubéola) e a pneumocócica (contra pneumonia, meningite e otite) – apresentaram adesão superior a 71%, que é menos do que os 80% desejados pelo PNI.

"O risco é acontecer de todas essas doenças, pólio, coqueluche, difteria, meningite, voltarem a causar doença e surtos entre nós. Foi o que aconteceu com o sarampo. Quando nossa cobertura começou a cair, a população de Roraima não vacinada gerou o surto de sarampo por lá e ele se espalhou pelo Brasil todo", lamenta Isabella Ballalai, vice-presidente da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações).

Ela chama a atenção para o sarampo, que havia sido erradicado no Brasil, mas voltou a aparecer em 2018, fazendo com que a Opas (Organização Pan-Americana de Saúde) cassasse o certificado de país livre da doença concedido em 2016. 

"Infelizmente, ninguém fez nada, e o país está até hoje com surto de sarampo e não conseguiu ainda eliminar 100% esse surto."

Brasil está suscetível à volta da poliomielite

Paralisia infantil pode voltar a ser um problema de saúde no Brasil, alerta especialista

Paralisia infantil pode voltar a ser um problema de saúde no Brasil, alerta especialista

Gleb Garanich/Reuters/Arquivo

Entre as vacinas que apresentaram maior queda está a da poliomielite, ou paralisia infantil. Em 1994, a doença foi considerada erradicada no Brasil, e o último caso dela foi registrado em 1989. No ano passado, porém, o índice de crianças vacinadas foi de apenas 67,58% – índice que já foi de 100%, em 2013. 

Assim como a poliomielite, a varíola também foi erradicada no Brasil graças à vacinação.

No ano passado, a Opas alertou para o risco de Brasil, Bolívia, Equador, Guatemala, Haiti, Paraguai, Suriname e Venezuela viverem a volta da doença. 

A preocupação aumentou ainda mais após a confirmação de duas crianças infectadas em Jerusalém, Israel, na terça-feira (16), e da presença do vírus no esgoto de outras cidades do país. 

"Em Israel, não foi o vírus selvagem que originou os casos. Foi o derivado da vacina. Isso sempre existiu, o vírus da vacina é atenuado e, por ser uma vacina oral, é eliminado pelas fezes do vacinado. Essa eliminação ajudou na erradicação da pólio. No entanto, agora, devido à baixa cobertura vacinal, esse vírus que foi para o ambiente e sofreu mutação causa doença nos não vacinados", alerta Isabella. 

E a especialista acrescenta: "Os números que temos hoje de vacinados deixam o país suscetível à pólio, tanto a importada – por exemplo, alguém que venha do Afeganistão ou Paquistão, onde o vírus selvagem circula – quanto o vírus vacinal que está entre nós pelos vacinados".

O que causou a baixa adesão à vacinação?

Brasil era referência em imunização infantil no passado

Brasil era referência em imunização infantil no passado

Rolando Andrade/Estadão Conteúdo - 1º.8.1974

Entre os motivos apontados para a baixa adesão está o fato de que os pais deixaram de conviver com as doenças evitáveis por vacinação e de ter conhecimento da gravidade a que seus filhos estão expostos. 

"O principal motivo é a perda da percepção de risco que há na população. Há um estudo que mostra que dos anos 1980 até 1994 tivemos várias campanhas de vacinação e a curva de cobertura vacinal aumentou muito rapidamente. Nos anos de 1995 até 2014, essa curva ficou estável, e de 2015 para cá essa curva caiu."

Para a vice-presidente da SBIm, as gerações de pais mais novos não têm a mesma percepção de risco que havia antigamente. 

"Nos anos 1980, a população via essas doenças. Uma mãe, um pai tinham medo de que o filho pegasse pólio. Noventa por cento dos brasileiros acreditam na importância da vacina, mas eles precisam acreditar no risco da doença."

As taxas de confiança nas campanhas de vacinação no Brasil chegam a quase 90%, de acordo com pesquisas da SBIm, e nos momentos de surto a população busca proteção.

"Quando a população vê a doença, ela procura a vacina", diz a especialista ao lembrar do surto de febre amarela vivido no país em 2017 e 2018. 

"Na época, tínhamos uma cobertura no país de 40% de vacinados, sendo que a vacina era recomendada de rotina na grande maioria do território e oferecida pelo SUS [Sistema Único de Saúde]. Quando tivemos a epidemia, até quem tinha contraindicação queria se vacinar, foram filas, pedidos de laudos médicos para autorizar", lembra Isabella Ballalai.

Pais não são únicos responsáveis pela falta de adesão

Outro motivo apontado pela SBIm é a falta de comunicação adequada para que tanto os pais quanto os médicos saibam das campanhas de vacinação, dos riscos das doenças e da importância de evitar a volta dessas enfermidades. 

"A comunicação precisa fazer parte das ações do Ministério da Saúde, o que existia nos anos 1980 e 1990. Era uma festa vacinar. Agora a comunicação que a gente vê é, no máximo, chamar para vacinar. Mesmo assim, campanhas que acontecem todos os anos têm adesão baixíssima, e muita gente nem fica sabendo que estão acontecendo. A comunicação é apontada como a principal ferramenta para o êxito da vacinação", ressalta a médica. 

Muitas vezes os pais são considerados os responsáveis por levar os filhos para ser vacinados, mas a médica diz acreditar que essa responsabilidade deve ser dividida com o poder público, já que a comunicação é falha. 

"A responsabilidade maior é das autoridades públicas. Nem o nível federal, nem o estadual, nem o municipal têm feito qualquer comunicação sobre as outras vacinas e a situação de risco que o país vive hoje. Os pais são cobrados, porque os governos acham que explicam a importância da vacinação", conclui Isabella Ballalai. 

A SBIm disponibiliza no site quais são as vacinas recomendadas para cada faixa etária, com indicação das que são oferecidas pelo SUS, de zero a 10 anos; de 10 a 19 anos; de 20 a 59 anos; e acima dos 60 anos. As gestantes, os transplantados e os pacientes especiais também encontram as vacinas disponíveis e indicações para aplicação. 

Últimas