Salões de beleza reabrem as portas: quais cuidados devem ser tomados?

Estabelecimentos voltam a funcionar nesta segunda (6) em SP; infectologista orienta a levar o próprio esmalte e produtos de maquiagem

Profissionais devem seguir protocolo rígido de cuidados e higiene

Profissionais devem seguir protocolo rígido de cuidados e higiene

Freepik

Impedidos de funcionar desde o dia 24 de março em decorrência da quarentena imposta pelo novo coronavírus, os salões de beleza reabrem as portas nesta segunda-feira (6) na capital paulista. A medida será executada de forma parcial e com restrições, segundo a prefeitura de São Paulo.

De acordo com um documento criado pelo Sebrae, logo na entrada, os estabelecimentos devem organizar uma área de chegada para clientes e profissionais realizarem a higienização das mãos com álcool gel e das solas do sapato e do celular com um borrifador com álcool 70%. O produto deve ser disponibilizado não só na entrada, mas em todas as bancadas de atendimento, banheiros, copas e afins.

Devem ser retirados da recepção todos os itens fáceis de tocar, como revistas, tablets ou cátalogos de informações. O infectologista Alexandre Barbosa, chefe do departamento de Infectologia da Unesp, acrescenta que cortesias, como cafés, devem ser suspensos.

Se possível, os clientes não devem levar acompanhantes ou animais de estimação, e os serviços devem ser realizados mediante agendamento prévio, para evitar aglomerações.

Também deve ser solicitado que todos os clientes estejam de máscara reutilizável própria. É recomendável que os estabelecimentos ofereçam a compra do equipamento de proteção individual.

Vale ressaltar que os clientes devem ser questionados se apresentam sintomas relacionados à covid-19, como tosse e febre, se estiveram perto de alguém que manifestou esses sintomas nos últimos 14 dias e se moram com alguém doente ou que está em quarentena.

Profissionais de beleza

Orienta-se organizar escala de trabalho a fim de evitar aglomerações, de acordo com a quantidade de pessoas permitida em um mesmo ambiente estabelecida no decreto da região do estabelecimento. Além disso, deve-se respeitar a distância mínima de 2 metros entre as estações de atendimento e não permitir a realização de serviços simultâneos no mesmo cliente.

De forma geral, os profissionais de beleza devem seguir um protocolo rígido de higiene, o que inclui: lavar as mãos entre cada atendimento – o uso de luvas não deve, em hipótese alguma, substituir a lavagem frequente das mãos –; portar álcool gel próprio; fazer uso de máscara reutilizável (vale ressaltar que ela deve ser trocada a cada 3 horas ou antes desse período caso esteja úmida e ser removida pelos elásticos laterais); usar o cabelo preso ou touca descartável; manter as unhas cortadas; lavar e desinfectar o uniforme diariamente; trocar de calçado – que deve ser fechado – ao chegar no trabalho; e, ao final do dia, colocar a roupa em um saco plástico para o transporte.

Alguns serviços, como esmalteria e depilação exigem o uso de luvas, além de outras medidas de cuidado e higiene específicas. Para manicure e pedicure, o estabelecimento deve diminuir a quantidade de esmaltes expostos e a profissional deve utilizar luvas e higienizar a poltrona ao final de cada atendimento. Barbosa faz um adendo. Segundo ele, cada cliente deve levar os seus próprios esmaltes.

De acordo com o médico, a mesma orientação vale para maquiagem – em especial produtos que vão nos olhos ou na boca, como curvex, máscara de cílios e batom. Já a maquiadora deve possuir o maior número de pinceis e higienizá-los após o final de cada atendimento.

Para serviços de cabelo, os profissionais devem realizar a higiene de instrumentos como bobs, presilhas, pentes e escovas após o final de cada atendimento, não reutilizar papeis ou mantas para descoloração e utilizar capas descartáveis ou de tecido desde que sejam higienizadas de forma adequada e não reutilizadas entre clientes.

Limpeza do estabelecimento

Todo o estabelecimento deve ser cuidadosamente limpo e desinfectado antes da reabertura. Isso inclui todas as superfícies, ferramentas, toalhas e roupas – mesmo que tenham sido limpas antes do fechamento. A limpeza deve ser feita com papel toalha descartável e produtos de agente detergente, como sabão, álcool gel 70% ou água sanitária.

Os banheiros merecem uma atenção especial. Devem ser disponibilizados sabonete líquido para lavar as mãos e toalhas de papel descartáveis para secá-las. É recomendável o uso de assentos descartáveis.

Descarte adequado do lixo

Quando removido dos setores, o lixo deve ser armazenado ensacado em recipientes apropriados com a tampa. O profissional responsável pelo recolhimento deve estar paramentado com luvas e máscara reutilizável.

Vale ressaltar que é importante removê-lo diariamente ou tantas vezes quantas forem necessárias durante o dia e que devem ser distribuídas lixeiras dentro das formas da vigilância sanitária local em todos os setores para evitar o transporte do lixo possivelmente contaminado pelo estabelecimento.

Ventilação

É importante manter o ambiente ventilado. Deve-se dar preferência à ventilação natural, com portas e janelas abertas. Caso o estabelecimento for fazer uso de ar condicionado, deve-se investir na limpeza frequente de filtros. É recomendável deixar as portas internas abertas entre setores, para ajudar na circulação e evitar o toque em puxadores e maçanetas.

*Estagiária do R7 sob supervisão de Deborah Giannini