Saúde Suplemento nutricional pode reduzir a progressão do Alzheimer 

Suplemento nutricional pode reduzir a progressão do Alzheimer 

Segundo estudo, pacientes apresentaram melhora no desempenho cognitivo 

Suplemento nutricional pode reduzir o desenvolvimento do Alzheimer 

Mal de Alzheimer acomete em sua maioria idosos

Mal de Alzheimer acomete em sua maioria idosos

Coração e Vida - Saúde

Um estudo publicado na última semana na revista científica The Lancet Neurology mostrou que um suplemento nutricional pode reduzir o desenvolvimento do Alzheimer em pacientes em estágio inicial da doença.

No estudo LipiDiDiet, 311 participantes com a doença na fase inicial foram selecionados de quatro países diferentes, Finlândia, Alemanha, Holanda e Suécia.

Os pacientes tinham que ingerir uma unidade do composto nutricional Souvenaid, uma vez por dia, durante dois anos. Os resultados mostraram que os participantes apresentaram melhora no desempenho cognitivo (atividades cotidianas, atenção, raciocínio etc) e funcional e reduziram a atrofia do hipocampo (parte do cérebro associada a memórias a longo prazo e a desorientação).

Segundo os pesquisadores, os efeitos da bebida foram mais evidentes em pacientes com comprometimento cognitivo leve ou em fase de pré-demência. Já no grupo com participantes com demência leve e moderada, não houve melhora significativa e em casos graves, não houve nenhum benefício ou melhora.

Entretanto, nesse estudo primário, os pesquisadores não conseguiram mostrar se o composto nutricional consegue frear o desenvolvimento da doença e ajudar na redução da perda da memória.

Composto nutricional

O Souvenaid é um composto nutricional da Danone nutrição especializada desenvolvido após mais de 10 anos de pesquisa. A bebida contém uma combinação exclusiva de ácidos graxos EPA e DHA (ômega3), UMP (Uridina monofosfato), colina, fosfolipídios, vitaminas do complexo B e micronutrientes antioxidantes.

Mal de Alzheimer

Segundo a ABRAZ (Associação Brasileira de Alzheimer) a doença de é uma condição incurável que se agrava ao longo do tempo, mas pode e deve ser tratada. O Alzheimer acomete em sua maioria pessoas idosas.

Estima-se que existam no mundo cerca de 35,6 milhões de pessoas com a doença. No Brasil, há cerca de 1,2 milhão de casos, a maior parte deles ainda sem diagnóstico.

*Texto Raquel Gamba, estagiária do R7

    Access log