Tecnologia e Ciência Alinhamento de Saturno, Júpiter, Marte, Vênus e Mercúrio poderá ser visto a olho nu

Alinhamento de Saturno, Júpiter, Marte, Vênus e Mercúrio poderá ser visto a olho nu

Fenômeno, chamado de conjunção pelos cientistas, é raro e poderá ser observado na madrugada de sexta (24) para sábado (25)

Resumindo a Notícia

  • Lua também irá se juntar ao alinhamento, ficando localizada entre Vênus e Marte
  • Netuno e Urano também estarão no céu, mas são pequenos e escuros para serem vistos
  • Não será necessário usar telescópios ou binóculos para ver, somente ter um céu limpo
  • Próxima conjunção dos planetas acontecerá só daqui a 18 anos, em 2040
Simulação do alinhamento dos planetas que acontecerá em 24 de junho

Simulação do alinhamento dos planetas que acontecerá em 24 de junho

Reprodução Stellarium

Um raro alinhamento de Saturno, Júpiter, Marte, Vênus e Mercúrio vai ocorrer na madrugada desta sexta-feira (24) para sábado (25). O fenômeno, chamado de conjunção pelos cientistas, poderá ser visto em todo o Brasil sem uso de telescópio ou binóculo. Os planetas já estão se alinhando há dias, mas somente no fim de semana ficarão perfeitamente posicionados.

O professor Carlos Fernando Jung, pesquisador e proprietário do Observatório Espacial Heller & Jung, destaca que a Lua ficará entre Vênus e Marte no céu. Além disso, Netuno e Urano também estarão enfileirados, mas são muito pequenos e escuros para ser observados da Terra.

Rodolfo Langhi, coordenador do Observatório de Astronomia da Unesp (Universidade Estadual Paulista), aponta o melhor momento para ver todos os planetas ao mesmo tempo.

"Mercúrio e Vênus, por exemplo, não são vistos em horários avançados da noite, pois sempre aparecem no céu em regiões mais próximas do Sol, pelo fato de terem órbitas mais próximas do Sol do que a Terra. Isso significa que eles serão visíveis em momentos pouco antes do Sol nascer ou pouco depois do Sol se pôr, ou seja, ou no fim da madrugada ou no início da noite", explica o astrônomo. 

Marte, Júpiter e Saturno são visíveis na maior parte do ano em qualquer horário da noite, a menos que estejam numa posição do céu perto do Sol, o que não é o caso nos próximos dias.

Quem estiver no estado do Rio Grande do Sul terá uma posição de observação um pouco melhor, mas será possível acompanhar a conjunção de qualquer parte do Brasil, desde que o céu esteja sem nuvens.

Como ocorre o alinhamento?

A conjunção ocorre quando os planetas se alinham em um dos lados do Sol ao mesmo tempo. Dessa forma, a luz solar ilumina todos simultaneamente e os torna visíveis. 

"Esse fenômeno exige que as órbitas dos planetas e, inclusive, da Lua estejam favoráveis a essa iluminação do Sol. Os planetas aparecem em um pequeno setor do céu ao mesmo tempo", explica Jung. 

Langhi diz que a posição dos planetas não forma uma linha reta perfeita, portanto a palavra "alinhamento" não seria exata, embora seja bastante usada.

"Astronomicamente falando, o termo mais apropriado é 'conjunção', uma palavra usada pelos astrônomos para designar a proximidade visual, aparente, de um astro e outro."

As últimas vezes em que um alinhamento desse tipo ocorreu foram em 18 de abril de 2002 e em 4 de julho de 2020, quando todos os planetas do Sistema Solar visíveis a olho nu se enfileiraram no céu. Entretanto, a ocorrência de fenômenos assim é considerada difícil, já que os próximos estão previstos para 2040 e 2854. 

*Estagiária do R7 sob supervisão de Pablo Marques

Últimas