Cientistas descobrem nova espécie de morcego laranja

Mamíferos foram descobertos no monte Nimba, localizado na Guiné, na África Ocidental, e correm risco de extinção

Resumindo a Notícia

  • Cientistas descobrem espécie de morcego laranja
  • Mamíferos foram descobertos em monte na Guiné
  • Espécie nova já está ameaçada de ser extinta
  • Túneis estão sendo construídos para os morcegos
Nova espécie foi descoberta em montanhas da Guiné

Nova espécie foi descoberta em montanhas da Guiné

Divulgação/BAT CONSERVATION INTERNATIONAL

Um grupo de cientistas que trabalham vasculhando cavernas e túneis de mineração no monte Nimba, na Guiné, na África Ocidental, descobriram uma nova espécie de morcego. A descoberta foi publicada na revista American Museum Novitates.

O novo morcego identificado pelos pesquisadores chama a atenção por ter uma pelagem de coloração alaranjada e ter alguns detalhes em preto.  A espécie foi vista pela primeira vez em 2018, por pesquisadores do Museu Americano de História Natural e da organização Bat Conservation International, que luta para preserver as espécies de morcegos. 

A nova espécie recebeu o nome de Myotis nimbaensis, que significa “De Nimba”, uma referência ao local da descoberta.

A descoberta foi feita quando a equipe buscava por um outro tipo de morcego, o de folha redonda, da espécie Hipposideros lamottei, listada como ameaçada de extinção pela União Internacional para Conservação da Natureza. Contudo, encontraram um outro animal muito diferente do que estavam procurando e descobriram.

Os cientistas afirmaram que, provavelmente, estes animais também correm riscos de extinção. Isso porque só foram encontrados nas galerias dessa cadeia de montanhas na Guiné, locais que correm o risco de desaparecer em pouco tempo.  

“Descobrir um novo mamífero é raro. É um sonho meu desde criança”, afirmou Winifred Frick, cientista-chefe da Bat Conservation International, ao jornal britânico The Independent. “Em uma era de extinção, uma descoberta como esta oferece um vislumbre de esperança”, acrescentou.

A equipe coletou uma série de dados, como informações morfométricas (como seu tamanho e forma) e também amostras genéticos para serem comparadas com outras espécies do Museu de História Natural.

A Bat Conservation International, junto com a Société des Mines de Fer de Guinée (SMFG), empresa de mineração local, trabalham para construir novos túneis mais reforçados e evitar a extinção desses morcegos. 

*Estagiário do R7 sob supervisão de Pablo Marques

Últimas