Tecnologia e Ciência Cientistas encontram primeiro ser vivo que não precisa de oxigênio

Cientistas encontram primeiro ser vivo que não precisa de oxigênio

Com o nome de Henneguya salminicola, o parasita que pertencente à família das águas vivas pode mudar como procuramos vida dentro e fora da terra

Pesquisa foi realizada na universidade de Tel Aviv, em Israel

Pesquisa foi realizada na universidade de Tel Aviv, em Israel

Divulgação/ Stephen Douglas Atkinson

Cientistas descobriram um parasita que quebra uma das regras básicas da biologia: seres vivos multicelulares precisam de oxigênio. O parasita nem ao menos tem o genoma que origina a mitocôndria, orgânela responsável pela respiração.

Com o nome de Henneguya salminicola, o parasita pertencente à família das águas vivas e pode mudar a forma de analisar os seres vivos.

O fato de que podem existir seres vivos independentes de respiração baseada no oxigênio, que até o momento só foi encontrado na atmosfera terrestre, pode mudar a forma de procurar vida em outros planetas ou ambientes em condições extremas.

Como a respiração metabólica funciona

A respiração metabólica era até o momento a única fonte de respiração para os seres multicelulares, ou complexos, como podem ser chamados. A vida começou a desenvolver esse sistema há 1.45 bilhões de anos atrás, de acordo com pesquisa sobre a história da mitocôndria desenvolvida publicada pela revista Nature

As pesquisas apontam que a mitocôndria se juntou a outras bactérias em um sistema de cooperação e assim criou um novo tipo de ser vivo. Mas, pesquisadores da universidade de Tel Aviv, em Israel, apontam que o parasita descoberto perdeu essa função.

Como o parasita respira

Imagem monocromática dos parasitas

Imagem monocromática dos parasitas

Divulgação/Stephen Douglas Atkinson

Utilizando tecnologia de ponta, os cientistas perceberam que a H. salminicola perdeu a capacidade de respirar e consegue sua energia da mesma maneira que um ser unicelular, mesmo sendo multicelular.

A forma com que isso acontece ainda é um mistério, mas, algumas teorias já existem. Uma possibilidades é que, como todo parasita, ela se alimentaria apenas da energia do seu parasita.

Descoberta essencial para a ciência

Além da descoberta de um ser independente do oxigênio, aparentemente o parasita sofreu um caso de “desevolução” com o tempo.

De acordo com Dayana Yahalomi, pesquisadora que encabeçou a pesquisa, o parasita veio de um ancestral possivelmente mais comum, como uma água viva e simplificou seus sistemas para sobreviver a ambientes hostis. 

"A, H. salminicola é uma oportunidade para entender como funcionam os processos evolutivos e principalmente como um ser pode passar de uma forma de respiração convencional para uma nova forma”, afirma Yahalomi.

A pesquisa completa sobre o parasita pode ser lida por aqui.

*Estagiário R7, sob supervisão de Karla Dunder

Veja também: 

Google disponibiliza 1000 fotos da Terra tiradas do espaço

Últimas