Tecnologia e Ciência Engenheiros desenvolvem drone do tamanho de uma abelha

Engenheiros desenvolvem drone do tamanho de uma abelha

Pequeno robô bate asas 500 vezes por segundo e é mais resistente a impactos em superfícies rígidas do que dispositivos maiores

Drone tem peso semelhante ao de uma abelha

Drone tem peso semelhante ao de uma abelha

Divulgação/MIT

Engenheiros do Instituto de Tecnologia de Massachusetts e da Universidade de Harvard, nos EUA, criaram um drone do tamanho de uma abelha com o objetivo de fazer com que o dispositivo possa entrar em lugares de difícil acesso para humanos e outros aparelhos eletrônicos.

O minúsculo drone pesa cerca de 665 mg e o deslocamento é feita com duas asas presentes nas laterais e que podem ser batidas até 500 vezes por segundo.

Leia mais: Astronautas compartilham como é dia a dia em Estação Espacial

A ideia dos desenvolvedores é que os dispositivos sejam utilizados no futuro para fazer a polinização em plantações e também inspeções em em máquinas ou outros espaços apertados e de difícil acesso.

"Pense na inspeção de um motor de turbina. Você gostaria que um drone se movesse em um espaço fechado com uma pequena câmera para verificar se há alguma rachadura. Isso pode ser muito desafiador para os robôs grandes existentes", destacou Kevin Yufeng Chen, professor do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, em comunicado da universidade.

Mesmo possuindo uma aparência que sugere que dispositivo é bastante frágil, os engenheiros garantem que ele tem a capacidade de receber pancadas ou entrar em contato com outros objetos e continuar voando sem sofrer danos.

Para isso, a alternativa dos criadores do robô “abelha” foi utilizar materiais mais macios à base de carbono e borracha. Equipamentos menos flexíveis facilitam a quebra do objeto caso ele se choque com alguma superfície mais rígida.

Outro ponto positivo é proporcionado pelo pequeno formato do drone é que ele pode entrar em mais lugares fazer um maior número de manobras durante um vôo, como cambalhotas, o que dificilmente um objeto maior consegue fazer.

*Estagiário do R7 sob supervisão de Pablo Marques

Últimas