Tecnologia e Ciência EUA suspeitam que China hackeou dados de hóspedes de rede de hotéis

EUA suspeitam que China hackeou dados de hóspedes de rede de hotéis

Cibercriminosos invadiram o sistema de reservas e obtido ilegalmente informações cadastrais de 500 milhões de pessoas

hotel marriott

Ataque hacker contra rede de hotéis vazou dados de 500 milhões de pessoas

Ataque hacker contra rede de hotéis vazou dados de 500 milhões de pessoas

Pixabay

Investigadores dos EUA acreditam que o governo chinês seja responsável pelo ataque hacker ao sistema de reservas da rede de hotéis Marriott. As informações foram pelo New York Times na última segunda-feira (11).

O jornal conversou com duas fontes ligadas ao governo que afirmaram que o vazamento de dados faria parte de uma estratégia do serviço de segurança da China para coletar informações de cidadãos norte-americanos. 

Uma das pistas que apontariam para uma possível ligação do vazamento com o governo asiático seria a estratégia utilizada para burlar o sistema de segurança. As investigações encontraram semelhanças do ataque à rede de hotéis com outros praticados por hacker chineses.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang, disse ao New York Times que a China "Se opõe firmemente a todas as formas de ataque cibernético". “Se forem apresentadas provas, os departamentos chineses relevantes realizarão investigações”, completou

Leia também: Conheça os golpes mais frequentes na internet e saiba se proteger

As investigações ainda não foram concluídas pelas autoridades dos EUA. O FBI e outras agências de inteligência foram procuradas pelo New York Times, mas não comentaram o caso.

A rede de hotéis descobriu em setembro deste ano, mas divulgou no fim de novembro, que 500 milhões de hóspedes tiveram o cadastro acessado por cibercriminosos. Entre os dados obtidos estavam nome, endereço, número de telefone, e-mail, número do passaporte, data de nascimento e registros de chegada e partida.

Veja também: 

'Celular é mais sujo do que vaso de banheiro público', diz Dr. Bactéria