Facebook apresenta nova linguagem de programação

Hack tem código aberto e mistura elementos de linguagens estáticas e dinâmicas

Hack já é usada no Facebook há um ano, mas foi lançada oficialmente nesta quinta-feira (20)

Hack já é usada no Facebook há um ano, mas foi lançada oficialmente nesta quinta-feira (20)

Reprodução

O Facebook criou uma nova linguagem de programação para tornar mais rápido o processo de desenvolvimento e teste dos códigos. Chamada de Hack, a nova linguagem já é usada na empresa há um ano e foi lançada pelo Facebook nesta quinta-feira (20).

A Hack combina elementos de linguagem de programação do tipo estático, como C, e do tipo dinâmico, como PHP. Códigos estáticos permitem que o desenvolvedor veja os erros antes que o programa seja executado, enquanto que nos mais modernos, do tipo dinâmico, o erro só é percebido quando o programa trava. Linguagens do tipo dinâmico, entretanto, rodam mais rapidamente.

O Facebook usa PHP, mas, de acordo com Bryan O' Sullivan, gerente da equipe que desenvolveu o Hack, a possibilidade de pegar os erros antes que o código seja executado é muito atraente. Isso permite que os desenvolvedores programem mais rápido e pode ser tão importante quanto escrever o código que tenha melhor desempenho, como no caso do Facebook.

Facebook pode comprar empresa fabricante de drones movidos por energia solar

Conheça dez tipos de amigos para excluir do Facebook

Em um post no blog oficial da rede social, o Facebook explicou a origem da linguagem Hack. O comunicado diz que a equipe acreditava que pudesse haver um meio termo entre os dois tipos de códigos de programação.

— Acreditamos que a Hack oferece o melhor das linguagens dinâmicas e das estáticas e isso será valioso para projetos de todos os tamanhos.

O post explicou ainda que o Facebook tem trabalhado com Hack e com PHP e que está migrando gradualmente para a nova linguagem.

A Hack tem código aberto. Para O'Sullivan, isso é importante não só para as grandes empresas, mas principalmente para pequenas equipes e desenvolvedores individuais, que também poderão usar a linguagem.

Últimas