Tecnologia e Ciência Moradores de Paraisópolis ganham endereço digital para receber compras pela internet

Moradores de Paraisópolis ganham endereço digital para receber compras pela internet

Parceria do Google com G10 Favelas, Favela Brasil Xpress e varejista vai colocar placas de localização em 4 mil casas

Alexandra Silva é uma das primeiras moradoras de Paraisópolis a receber a placa do Google

Alexandra Silva é uma das primeiras moradoras de Paraisópolis a receber a placa do Google

Pablo Marques/R7 - 05/05/2022

Ter um endereço pode ser algo básico para muitas pessoas, mas é um privilégio para quem vive em bairros carentes e comunidades pelo Brasil. Atualmente, 17 milhões de pessoas moram em favelas no país, segundo um levantamento do Instituto Locomotiva, em parceria com o Data Favela e a Central Única das Favelas.

A falta de um CEP, de uma placa com o nome da rua e a indicação do número da residência impedem que essa parcela da população consiga receber em suas casas compras feitas pela internet e pedidos feitos por aplicativos. 

Para solucionar parte desse problema, o Google em parceria com o G10 Favelas, a Favela Brasil Xpress e as Americanas lançou, nesta quinta-feira (5), uma iniciativa inédita em uma área urbana da América Latina que irá disponibilizar Plus Codes, uma espécie de endereço digital, em Paraisópolis, comunidade com mais de 100 mil moradores em São Paulo.

"É um direito tão básico para a maioria das pessoas que parece até improvável que milhões não tenham acesso a isso. Agora será possível atestar 'eu estou neste local'. Isso é estar inserido no mapa. Nós queremos mostrar que somos todos brasileiros e fazemos parte do Brasil e que não queremos viver divididos por muros e separados por CEPs, onde uns têm tudo e outros não", afirma Gilson Rodrigues, presidente do G10 Favelas durante o evento de lançamento do projeto.

Gilson Rodrigues recebeu do diretor do Google uma placa com a localização do G10 em Paraisópolis

Gilson Rodrigues recebeu do diretor do Google uma placa com a localização do G10 em Paraisópolis

Pablo Marques/R7 - 05/05/2022

Inicialmente, 4 mil casas receberão placas com um código do Plus Codes, uma tecnologia aberta e gratuita desenvolvida pelo buscador. "Plus Codes existe em qualquer lugar do mundo, mesmo que não tenha nenhuma rua perto. Nós já fizemos testes em propriedades rurais, por exemplo. Essa tecnologia é de código aberto e qualquer empresa pode utilizar sem custo", explica Newton Neto, diretor de parcerias globais do Google para a América Latina.

O Plus Codes é uma sequência de letras e números que lembra coordenadas geográficas e indica com bastante precisão uma localidade. O código pode ser usado como endereço em aplicativos de mensagem ou nas redes sociais. As ferramentas do Google conseguem ainda identificar o endereço e traçar uma rota até o destino. 

A Americanas S.A. atua em Paraisópolis desde abril de 2021 e é a primeira empresa a integrar a plataforma de e-commerce à tecnologia do Google. "Nesse piloto, que será implementado até o final do segundo trimestre, vamos integrar a tecnologia do Plus Codes aos nossos sites e apps para padronizar esse mapa, dar mais fluidez à operaçao e aprimorar a experiência de consumo na favela", explica Edu Fullen, diretor-executivo de Tecnologia e Operação da Americanas S.A.

Os benefícios vão muito além das entregas de encomendas e cartas, e podem ser importantes para os serviços públicos e até para serviços de emergência, como bombeiros e ambulâncias. O diretor do Google destaca que até uma campanha de vacinação ou de distribuição de cestas básicas pode ser beneficiada pelo Plus Codes.

Alexandra acompanha a colocação da placa de seu novo endereço digital na fachada da casa

Alexandra acompanha a colocação da placa de seu novo endereço digital na fachada da casa

Pablo Marques/R7 - 05/05/2022

Alexandra Pereira Silva, de 46 anos, foi uma das primeiras moradoras a receber uma placa com o endereço digital. Ela mora há cinco anos em Paraisópolis e tem quatro filhos; o mais velho, de 21 anos, já se mudou, mas vai usar o novo endereço digital da mãe, porque também tem dificuldade para receber compras no seu endereço.

"Eu quero comprar uma TV bem grande pela internet e esperar chegar aqui na minha casa. A Copa do Mundo está chegando e eu sou uma torcedora bem escandalosa", conta Alexandra sobre qual deve ser sua primeira compra depois de ganhar um endereço.

Hoje, quem faz compras pela internet em Paraisópolis recebe o pedido pela Favela Brasil Xpress, uma startup de logística que atua na região há pouco mais de um ano e que já realizou 700 mil entregas em sete favelas no último ano. "A maioria dos moradores prefere ir até uma loja física para comprar, porque as compras não chegam em suas casas", conta Giva Pereira, CEO da Favela Brasil Xpress.

Giva estima que cerca de 20 mil pessoas podem ser beneficiadas com a possibilidade de fazer compras pela internet só nessa primeira fase de implantação do Plus Codes. Ele destaca que os moradores de Paraisópolis compram desde um chaveiro até um iPhone de última geração pela internet, o que seria um indicativo de um mercado em potencial na comunidade.

Apesar do sistema de entrega já existir e funcionar em muitos casos, a falta de um endereço é um desafio para os entregadores. "A tecnologia vai mudar muito o meu trabalho. A gente tem muita dificuldade de encontrar algumas casas e tinha que sair perguntando pelo nome da pessoa na rua e nos comércios. Isso fazia a gente perder muito tempo", diz Cleyton Santos, 41 anos, que trabalha como entregador na Favela Brasil Xpress há um ano e está sendo treinado para usar o Plus Codes do Google.

Alexandra conta que às vezes escutava o nome dela sendo gritado pelo entregador na rua de baixo de sua casa, onde é mais movimentado, e os vizinhos avisavam que ela tinha que descer para pegar o pedido. Outra alternativa era mandar a compra ser entregue em seu antigo endereço no bairro Parque Santo Antônio, na zona sul da capital, mas para chegar até lá tinha que pegar dois ônibus para ir e dois para voltar.

"Eu tinha que esperar receber o pagamento para ter dinheiro e ir até lá buscar a minha encomenda. Sem contar que eu pagava o frete para não receber a caixa no meu endereço", lembra a moradora.

Claudia Regina mostra a placa com o endereço digital que será usado para entregas de compras online

Claudia Regina mostra a placa com o endereço digital que será usado para entregas de compras online

Pablo Marques/R7 - 05/05/2022

Cláudia Regina di Silvério, de 50 anos, vive há 18 anos em Paraisópolis e está feliz com a possibilidade de receber compras feitas pela internet diretamente em sua casa. "Agora vai ficar bem melhor com a minha plaquinha. Eu às vezes comprava pela internet e não chegava", comemora a moradora dona da Padaria da Comunidade, local usado com ponto de referência para encontrar o seu endereço e de outros moradores. 

Últimas