Tecnologia e Ciência O desafio dos fabricantes de chips: manter semicondutores ocidentais fora de armas russas

O desafio dos fabricantes de chips: manter semicondutores ocidentais fora de armas russas

Chips de baixo custo fabricados nos EUA foram encontrados em drones russos usados na invasão da Ucrânia, e ninguém sabe como isso aconteceu

Reuters - Tecnologia
Um chip fabricado nos EUA foi encontrado em drone russo e se tornou tema de investigação

Um chip fabricado nos EUA foi encontrado em drone russo e se tornou tema de investigação

RESEARCH/Handout via Reuters

Quando a fabricante americana Marvell soube que um de seus chips foi encontrado em um drone de vigilância russo recuperado em 2016, a empresa decidiu investigar como isso aconteceu.

O chip, que custa menos de US$ 2, foi enviado em 2009 a um distribuidor na Ásia. Foi vendido a outro comerciante na Ásia, que, por sua vez, faliu mais tarde. Anos depois, o produto reapareceu em um drone recuperado na Lituânia.

A experiência da Marvell é um dos inúmeros exemplos de como os fabricantes de chips não têm capacidade de rastrear onde terminam muitos de seus produtos de baixo custo, disseram executivos e especialistas. Isso pode limitar a execução de novas sanções dos Estados Unidos destinadas a interromper a exportação de tecnologia americana para a Rússia.

Enquanto chips sofisticados e de ponta, que podem integrar supercomputadores, são vendidos diretamente a empresas, os de baixo custo passam por vários revendedores antes de terminarem em um dispositivo.

A indústria global de chips deve produzir 578 bilhões de unidades neste ano, sendo 64% deles chips "commodity", disse Dan Hutcheson, economista com foco em chips da TechInsights.

Enquanto a Rússia representava menos de 0,1% das compras globais de chips antes das sanções, de acordo com a organização Estatísticas Globais de Comércio de Semicondutores (na tradução livre do inglês), as novas restrições ocidentais ressaltam a ameaça em termos humanos.

"Todos os drones que vimos não estavam armados", disse Damien Spleeters, vice-diretor de operações do grupo de Pesquisa em Armamento de Conflitos, financiado pela União Europeia e Alemanha, que encontrou os chips nos drones.

"Alguns desses drones que documentamos, como o Forpost, agora são usados ​​em sua versão armada no conflito atual" na Ucrânia, disse ele.

O relatório que motivou o trabalho de rastreamento da Marvell, publicado no fim do ano passado pelo grupo, também encontrou em drones russos chips da Intel, NXP, Analog Devices, Samsung, Texas Instruments e STMicroelectronics.

A Texas Instruments e a STMicroelectronics não responderam a pedidos de comentários enviados pela Reuters; NXP e Analog Devices disseram que cumprem as sanções; a Intel afirmou que é contra o uso de seus produtos para violações de direitos humanos; e a Samsung disse que não fabrica chips para fins militares.

O objetivo de sanções à Rússia não é rastrear todos os chips, mas interromper a cadeia de suprimentos, na qual a comunidade de inteligência está trabalhando, disse James Lewis, diretor do programa de política tecnológica do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, com sede em Washington, EUA.

Drones, bomba de fragmentação, coquetel molotov: os armamentos usados na guerra na Ucrânia

Últimas