Tecnologia e Ciência Por que o cérebro humano identifica rosto em objetos?

Por que o cérebro humano identifica rosto em objetos?

Mecanismo para reconhecer a face de uma pessoa é o mesmo que encontra olhos, boca e nariz em itens do cotidiano

Cérebro dos humanos reage da mesma maneira a rostos reais e ilusórios

Cérebro dos humanos reage da mesma maneira a rostos reais e ilusórios

Flickr

Uma pesquisa realizada por cientistas da Universidade de Sidney, na Austrália, revelou o porquê do cérebro humano reagir emocionalmente sempre que identificam em algum objeto inanimado uma forma parecida com um rosto.

Os resultados do estudo relacionada à pareidolia facial, fenômeno que nos leva a ver rostos em objetos do cotidiano, foram publicados na quarta-feira (7) na revista científica Proceedings of the Royal Society.

De acordo com os pesquisadores, o cérebro humano respondem emocionalmente a essas faces ilusórias da mesma maneira que faz quando reconhece alguém na rua.

“Quando os objetos têm uma aparência atraente, é mais do que uma interpretação: eles realmente estão conduzindo a rede de detecção de rosto do nosso cérebro. Para ele, falso ou real, os rostos são todos processados ​​da mesma maneira”, explica o professor David Alais, principal autor do estudo, em comunicado divulgado pela Universidade de Sidney.

Para fazer essa constatação, os pesquisadores mostraram para alguns voluntários imagens de rostos de pessoas e de objetos que pareciam ter olhos, boca e nariz. Depois disso, cada um dos participantes do estudo precisava dizer se cada expressão facial poderia ser classificada como de raiva ou de felicidade.

Leia mais: Hackers ajudam empresas a se protegerem contra ciberataques

Os resultados mostraram que tanto expressões humanas quanto de objetos foram colocadas nas mesmas escalas emocionais.

“Há um grande benefício em detectar rostos rapidamente, mas o sistema aplica um modelo bruto de dois olhos sobre um nariz e uma boca. Muitas coisas podem satisfazer esse modelo e, assim, acionar uma resposta de detecção de rosto”, afirma David.

*Estagiário do R7 sob supervisão de Pablo Marques

Últimas