Tecnologia e Ciência Rússia pode construir sua própria estação espacial até 2025

Rússia pode construir sua própria estação espacial até 2025

Segundo diretor da agência espacial russa Roscosmos, Dmitri Rogozin, primeiro módulo básico 'já está em construção'

Rússia pode construir sua própria estação espacial

Rússia pode construir sua própria estação espacial

NASA

A Rússia anunciou nesta terça-feira (20) a intenção de construir o primeiro módulo de sua própria estação espacial até 2025, depois que o governo deu a entender que poderia abandonar a Estação Espacial Internacional (ISS).

"O primeiro módulo básico para a nova estação orbital russa já está em construção", anunciou no aplicativo Telegram o diretor da agência espacial russa Roscosmos, Dmitri Rogozin.

"O objetivo é que esteja preparado para ser lançado em órbita em 2025", explicou.

O anúncio foi feito depois de declarações contraditórias das autoridades russas sobre seus planos para o setor espacial.

O vice-primeiro-ministro, Yuri Borisov, sugeriu no domingo que Moscou abandonaria a ISS em 2025 para concentrar-se na construção de sua própria estação. 

A Roscosmos atenuou o discurso e afirmou à AFP que a decisão será tomada depois de 2024 "com base no estado técnico" da estação.

Moscou alega que a ISS deixa a desejar, com módulos que "estão quase no fim de sua vida".

No início de abril, o diretor de voo do segmento russo da ISS, Vladimir Soloviev, calculou que a vida útil do laboratório orbital poderia ser prolongada até 2030, mas que esperava uma "avalanche de falhas" a partir de 2025.

Borisov destacou na segunda-feira que o envelhecimento da Estação Espacial Internacional permite prever uma "catástrofe". 

"Não podemos colocar em perigo as vidas dos cosmonautas", destacou. Na opinião de Borisov, a futura estação espacial russa poderia ser colocada em uma órbita mais elevada que a ISS e servir de "ponto de transferência intermediário para voos com destino à Lua".

A exploração da ISS é um dos poucos âmbitos de cooperação entre Rússia e Estados Unidos, que passa por um período de grande tensão desde 2014.

Últimas