Tecnologia e Ciência Vídeo mostra robô da Boston Dynamics dando mortal para trás

Vídeo mostra robô da Boston Dynamics dando mortal para trás

Dispositivos do modelo Atlas realizam exibição superando obstáculos com manobras características de parkour

Robô da Boston Dynamics realiza movimentos de parkour em conteúdo divulgado

Robô da Boston Dynamics realiza movimentos de parkour em conteúdo divulgado

Reprodução/Boston Dynamics

Depois de viralizar nas redes sociais com os robôs Spot, que têm a aparência de cães e podem realizar tanto tarefas domésticas como acrobacias e coreografias sincronizadas, a Boston Dynamics decidiu mostrar que os seus dispositivos podem ir além dessas atividades.

Um vídeo divulgado na última terça-feira (17) mostra robôs do modelo Atlas praticando parkour, uma modalidade que consiste na superação de obstáculos de maneira ágil e utilizando somente habilidades do corpo humano.

Leia mais: Xiaomi lança cão robô em concorrência à Boston Dynamics

No conteúdo disponibilizado pela empresa é possível ver os dispositivos utilizando os braços e as pernas para saltar alguns objetos de madeiras distribuídos em um espaço.

No final da apresentação, que dura cerca de um minuto, as máquinas executam um backflip, movimento popularmente conhecido como mortal para trás, e finalizam a exibição comemorando o êxito das manobras realizadas. 

Robô da Boston Dynamics mostra habilidade nas tarefas de casa

Os engenheiros da empresa destacam que os movimentos realizados pelo Atlas vêm evoluindo bastante ao longo dos últimos cinco anos. Os robôs que antes realizavam tarefas simples e também se arriscavam na dança, agora podem fazer manobras mais arriscadas. 

"Forçar os limites de um robô humanóide como o Atlas impulsiona a inovação de hardware e software que se traduz em todos os nossos robôs na Boston Dynamics", destaca Scott Kuindersma, líder da equipe Atlas, em comunicado divulgado pela empresa. 

Leia mais: Que gingado! Robôs Spot dançam junto com o grupo coreano BTS

Os profissionais da Boston também ressaltam que as melhorias feitas em dispositivos como os Spots e os Atlas servirão como base para a utilização dessas máquinas no dia a dia em um futuro que não está tão longe.

"Acho difícil imaginar um mundo daqui a 20 anos onde não existam robôs que trabalhem ao lado de humanos para enriquecer nossas vidas. Mas ainda estamos nos primeiros dias de criação desse futuro. Espero que demonstrações como esta forneçam um pequeno vislumbre do que é possível", ressalta Ben Stephens, profisisonal que trabalha na área de controle do Atlas.

Últimas