Cidades

8/2/2013 às 01h10

Bombeiros que trabalharam em resgate em Santa Maria prestam depoimento

Ao todo, mais de 150 pessoas já foram ouvidas pela polícia

Do R7

A Polícia Civil deve concluir nesta sexta-feira (8) o depoimento dos bombeiros que trabalharam no resgate de vítimas no incêndio na boate Kiss, em Santa Maria (RS), que terminou com a morte de 238 pessoas e mais de 100 feridos. Pelo menos seis agentes devem ser ouvidos durante o dia. Os profissionais começaram a depor ainda na quarta-feira (7).

Ao todo, mais de 150 pessoas prestaram depoimento. Oito militares morreram durante os trabalhos de resgate na boate, no dia 27 de janeiro.

Na quarta-feira (6), foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão na casa dos músicos e recolhidas fotos que mostram que a banda usava sinalizadores durante os shows, idênticos ao que teria provocado o incêndio na Kiss. As imagens servirão de base para o inquérito e podem contestar os depoimentos prestados pelos envolvidos.

A polícia divulgou também que amostras de sangue de 235 vítimas foram levadas para a Argentina. O objetivo é investigar a presença de cianeto no sangue.

Incêndio

O incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, a 290 km de Porto Alegre, deixou 238 mortos e mais de cem feridos. O fogo teria começado quando a banda Gurizada Fandangueira se apresentava. Segundo testemunhas, durante o show foi utilizado um sinalizador — uma espécie de fogo de artifício chamado "sputnik" — que, ao ser lançado, atingiu a espuma do isolamento acústico, no teto da boate. As chamas se alastraram em poucos minutos.

Veja a cobertura completa da tragédia

Maioria das vítimas era de estudantes. Veja o perfil

Na terça-feira (29), o delegado regional da Polícia Civil em Santa Maria, Marcelo Arigony, informou que localizou a loja onde foi comprado o sinalizador. De acordo com Arigony, o artefato foi vendido regularmente, porém um funcionário da loja informou que a banda Gurizada Fandangueira queria comprar o mais barato para uso externo, mesmo sabendo que o seu uso seria interno. Ainda segundo a polícia, os donos da boate também sabiam dessa informação e teriam sido coniventes.

A casa noturna estava superlotada na noite da tragédia, segundo o Corpo de Bombeiros. Cerca de mil pessoas ocupariam o local. O incêndio provocou pânico e muitos não conseguiram acessar a única saída da boate. Os proprietários do estabelecimento não tinham autorização para organizar um show pirotécnico no local. Além disso, o alvará da casa estava vencido desde agosto de 2012.

 

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade
Compartilhe
X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!