Cidades

28/1/2013 às 18h42 (Atualizado em 28/1/2013 às 19h03)

Professor lamenta que necessidade de rever critérios de fiscalização tenha sido mostrada por uma tragédia

Para ele, após a perícia a cadeia de responsabilidades “vai se estender muito"

Do R7

O país deve se apressar em rever os critérios de fiscalização e licenciamento de casas de eventos e entretenimento, alertou nesta segunda-feira (28) o coordenador do Grupo de Análise de Risco Tecnológico e Ambiental da Coordenação de Programas de Pós-Graduação de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe/UFRJ), Moacyr Duarte.

Ele se referia à tragédia ocorrida na madrugada desse domingo (27) em Santa Maria, Rio Grande do Sul, onde pelo menos 231 pessoas, a maioria com idade entre 16 e 20 anos, morreram em incêndio na Boate Kiss.

Dono de boate que pegou fogo em Santa Maria se entrega à polícia

Revolta e comoção marcam enterros de vítimas da tragédia em Santa Maria

Vítimas da tragédia em Santa Maria: boa parte era jovem e estudante

Para Duarte, embora o local apresentasse várias características condenáveis, independentemente de qualquer legislação, ficou claro que ninguém percebeu disso até a tragédia.

— A festa foi anunciada, o número de pessoas era conhecido, as limitações da casa eram conhecidas. Assim mesmo, a festa se realizou e acabou em tragédia.

Não há dúvida de que, após a perícia, a cadeia de responsabilidades “vai se estender muito”, disse o professor à Agência Brasil. Para ele, dois fatores distintos devem ser levados em conta:

— Uma coisa é por que o fogo começou e se espalhou, e a outra é por que não havia esquema para as pessoas fazerem a evacuação do prédio.

Duarte disse que a observância de uma equação simples poderia ter evitado a tragédia: adequar o tamanho do espaço ao número de pessoas e ao material usado no ambiente.

Se o espaço é muito congestionado, é preciso tirar os materiais inflamáveis. Se os inflamáveis são mantidos, não se pode deixar tanta gente entrar e é necessário aumentar o número de saídas.

— Agora, uma saída, muita gente e muitos materiais pegando fogo é uma combinação insensata.

Leia mais notícias de Cidades

Na opinião do professor, o que o entristece é que o motivo das mortes tenha sido banal.

— Foi a inobservância de coisas básicas.

Veja mais notícias na nova home do R7

 

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade
Compartilhe
X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!