Cidades

29/1/2013 às 08h07 (Atualizado em 29/1/2013 às 11h29)

Voluntários aliviam a dor de parentes de vítimas da Kiss

Técnico que mora no Nordeste foi para Santa Maria ajudar a enterrar vítimas

Agência Estado

EVELSON DE FREITAS/ESTADÃO CONTEÚDO

Maione de Fátima Silva acordou assustada na madrugada de domingo (27). Pulou da cama quando recebeu o telefonema do filho adolescente.

— Pensei que ele tinha batido o carro.

Do outro lado da linha, o caçula informava o que soubera minutos antes: a Kiss pegava fogo e o irmão de um amigo estava desaparecido. Acordada e com a certeza de que o casal de filhos estava bem, Maione, que é psicóloga, se juntou à frente de auxílio aos parentes das vítimas.

Justiça manda bloquear bens de donos de boate

Indenizações a famílias podem passar de R$ 78 milhões

Ele entrou de novo para procurar irmã e não voltou mais

Ela está entre as centenas de voluntários trabalhando duro para tornar menos difícil a vida das pessoas próximas às vítimas. No domingo (27), quando os corpos eram reconhecidos no ginásio municipal, psicólogos tentavam manter lúcidos mães e pais desesperados.

— Pegar na mão e olhar no olho já são enormes atitudes de conforto. Atendi um senhor que perdeu o filho e a nora. Ele chorava muito. Mas, quando sentiu minha mão na dele, ficou mais calmo.

A psicóloga acompanhou uma idosa no reconhecimento do filho único.

— Ela implorou para que me deixassem entrar com ela.

‘Coveiro’

Dagoberto Tochetto, de 40 anos, é gaúcho do Vale dos Sinos. Descendente de alemães, tem um semblante doce e fala suave, com um sotaque que lembra o mineiro. Técnico em telecomunicações, mora há mais de duas décadas no Nordeste. Na sexta-feira (25), chegou a Santa Maria a serviço. Ao saber da tragédia na Kiss, ele correu para o Cemitério Santa Rita, onde, por todo o domingo, auxiliou na abertura de novas covas.

— Abrimos as valas para dar essa contingência toda. Sabíamos que teria muito movimento.

No domingo, cavou 12 buracos. Aliviado por não conhecer ninguém que foi enterrado, disse:

— Me sinto na obrigação de ajudar. Não conhecia ninguém, mas é uma obrigação humanitária. Tem de ser voluntário.

As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade
Compartilhe
Compartilhe
Perfis no Facebook

Presas de Guarapuava (PR) tiram fotos sensuais e postam na internet

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Jovem, rica e bela

Saiba quem é a mulher que largou tudo para ficar com Roger Abdelmassih

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Palmas (TO)

Suspeito de estuprar e matar mulher ri ao ser preso e debocha: “Saio em 3 meses”

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Crime bárbaro

Mãe conta como matou a filha de 7 anos para ritual no PR; ossada é encontrada

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
  • Últimas de Cidades

  • Últimas de Notícias

Compartilhe
Braço amputado

Tigre ataca menino de 11 anos em zoo do Paraná ; pai responderá por lesão

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!