Internacional

12/7/2013 às 00h29

Mercosul deverá publicar declaração conjunta sobre espionagem e asilo político nesta sexta-feira

Grupo também deverá anunciar novas etapas encerrar o veto contra o Paraguai no bloco

Do R7, com EFE, AFP e Agência Brasil

Os chanceleres da Venezuela, Elias Jaua, e do Uruguai, Luis Almagro, disseram na última quinta-feira (11) que os presidentes dos países do Mercosul irão emitir uma declaração sobre denúncias de espionagem, direito a asilo e o incidente envolvendo o avião do presidente da Bolívia, Evo Morales.

O Mercosul deverá produzir oficialmente nesta sexta-feira (12) "uma resolução" sobre espionagem, asilo político e sobre a "ofensa" ao presidente boliviano para quem países europeus fecharam o espaço aéreo na semana passada, disse o chanceler venezuelano cujo país assumirá pela primeira vez a presidência pró-tempore do bloco.

"Há três sólidas propostas de resolução" que serão apresentadas na sexta-feira para que os presidentes avaliem, disse Jaua.

Microsoft ajudou governo americano a espionar mensagens, revela jornal inglês

Para Chomsky, empresas da web permitirão a governos "saber tudo" sobre internautas

Indignada, América Latina exige respostas sobre espionagem dos EUA  

Em primeiro lugar, "uma proposta de condenação à agressão e ao atentado contra a vida do presidente Evo Morales, quando seu avião foi proibido de entrar no espaço aéreo de alguns países da Europa", afirmou.

O segundo ponto será uma "resolução reivindicando o direito que têm os cidadãos de solicitar asilo e o dever e o direito que têm os Estados de concedê-lo sem que sejam alvos de repressão ou de ameaças de qualquer tipo por parte de terceiros Estados", acrescentou.

Finalmente, será proposta a "condenação do sistema de vigilância e controle global que o governo dos Estados Unidos está desenvolvendo, vulnerando a privacidade dos cidadãos e a soberania dos países".

Na última quinta-feira (11), o chanceler uruguaio disse ainda que durante o almoço dos ministros falou-se sobre "a espionagem no continente" e "assuntos relacionados à possibilidade de direito de asilo".

"Temos considerado até o momento que as explicações ou as desculpas que os países europeus nos deram pelo caso do presidente Morales são insuficientes", enfatizou o anfitrião.

Num encontro paralelo às reuniões do Mercosul, o secretário-geral da Aladi (Associação Latino-americana de Integração), Carlos Alvarez, se solidarizou com a Bolívia pela "humilhação" sofrida por Morales, durante uma cerimônia para o fechamento de acordos na presença dos chanceleres da Bolívia, David Choquehuanca, e da Venezuela, Elías Jaua.

O chanceler boliviano agradeceu o gesto e pediu a articulação de um "movimento mundial para defender as soberanias, para defender os direitos humanos".

Venezuela ofereceu asilo político a Snowden, que deixou os Estados Unidos após revelar programas de espionagem massivos por parte dos Estados Unidos a vários de seus parceiros europeus. As denúncias de Snowden também envolvem países da América do Sul, como o Brasil, maior membro do Mercosul.

Brasil pode ouvir Snowden em outro país, diz chanceler

Norte-americanos preparam manifestações em apoio a Snowden

Segundo o Uruguai, o bloco também discutirá a "adesão da Bolívia" e em particular no "prazo de quatro anos" para formalizar o ingresso do país andino.

As negociações de livre-comércio com a União Europeia — estancadas — também estarão na ordem do dia de presidentes e chanceleres, informou o anfitrião Almagro.

Paraguai

O Mercosul deverá ainda anunciar nesta sexta-feira (12) a um acordo sobre o retorno do Paraguai.

"Falamos sobre temas relacionados obviamente à reincorporação do Paraguai", disse o chanceler uruguaio, Luís Almagro, ao final de um almoço, na última quinta-feira (11), com seus pares do Mercosul.

"Existe uma grande disposição de todos os membros do bloco para que cheguemos a um entendimento até 15 de agosto", quando o presidente eleito do Paraguai, Horácio Cartes, tomará posse.

Uruguai e Paraguai: dois opostos no Mercosul

Atitude do Paraguai em questionar acordo de Itaipu é tiro no coração do Mercosul

O uruguaio disse ainda que serão dadas ao Paraguai "todas as garantias da disposição dos integrantes" do bloco, formado por Argentina, Brasil, Uruguai e Venezuela. O Paraguai — suspenso do grupo após a manobra política que destituiu o presidente Fernando Lugo em junho de 2012 — não participa da cúpula em Montevidéu.

Tanto Cartes quanto o governo paraguaio afirmaram esta semana que o Paraguai não retornará ao bloco caso a Venezuela assuma a presidência rotativa do organismo, o que está previsto para ocorrer nesta sexta-feira, quando os presidentes se reunirão na capital uruguaia.

O que acontece no mundo passa por aqui

Moda, esportes, política, TV: as notícias mais quentes do dia

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade
Compartilhe
Verde-amarelo contagiante

Bandeiras e camisetas do Brasil se espalham pelo mundo

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Fé proibida

Conheça os países com maiores índices de perseguição religiosa

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Imagens do ano

Entre sorrisos e lágrimas: veja as imagens mais emocionantes de 2013

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Perturbador

Crimes brutais chocaram o mundo em 2013. Veja os casos mais macabros

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
  • Últimas de Internacional

  • Últimas de Notícias

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!