Internacional

25/12/2012 às 16h10 (Atualizado em 25/12/2012 às 19h19)

Nova Constituição do Egito é aprovada por 63,8%

Oposição liberal se mostrou pessimista e teme radicalização do país

Egípcias cortaram os cabelos em protesto contra a nova Constituição do país KHALED DESOUKI / AFP

O projeto de Constituição promovido pelos islamitas no poder no Egito foi aprovado por 63,8% dos eleitores, ao final do referendo realizado em meio à crise política que abala o país, informou nesta terça-feira (25) a comissão eleitoral.

A taxa de participação foi de 32,9%, precisou Samir Aboul Maati, presidente da comissão, em entrevista coletiva.

 

Momentos antes, o ganhador do Nobel da Paz e ex-diretor da AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica) Mohamed ElBaradei, que dirige a Frente de Salvação Nacional (FSN, principal coalizão da oposição laica), reconheceu que seria anunciada a vitória dos defensores do projeto.

Veja a galeria do dia

"Será aprovado, mas, para mim, é um dia muito triste para o Egito, já que a instabilidade será institucionalizada", declarou ao canal de TV americano PBS.

Segundo ElBaradei, a nova Constituição será considerada provisória, até que seja redigida outra, baseada em um consenso.

"Até agora, (o presidente egípcio, Mohamed) Mursi não chegou ao restante do país, e precisa fazê-lo, porque é onde está a reserva de gente qualificada que pode fazer a economia arrancar", assinalou.

A Irmandade Muçulmana, partido de Mursi, e a mídia oficial informaram que 64% dos eleitores aprovaram a Constituição, ao fim das duas fases do referendo, realizadas em 15 e 22 de dezembro. Segundo os islamitas, o índice de participação foi de 32%.

A FSN questionou o resultado, alegando que o mesmo se deveu "a fraudes, violações e irregularidades". Para a Frente, o referendo "não representa o fim do caminho, apenas uma batalha" no combate ao poder do presidente Mursi.

Se a declaração for declarada aprovada, o Egito terá que realizar eleições legislativas até o fim de fevereiro.

Há semanas, o projeto de Constituição está no centro da crise mais grave registrada no Egito desde a eleição de Mursi, em junho. A tensão entre partidários e opositores de Mursi terminou, na noite do último dia 5, em confrontos nos arredores do palácio presidencial, que deixaram oito mortos e centenas de feridos.

Segundo a oposição, o texto abre caminho para interpretações severas do islã, e oferece poucas garantias de determinadas liberdades, apesar das aspirações democráticas que surgiram da revolta contra Hosni Mubarak, que dirigiu o Egito por três décadas.

Para os defensores do "sim", a aprovação do texto dotará o país de um marco constitucional estável. Trata-se de um argumento destinado a seduzir os egípcios que estão preocupados, após dois anos de uma transição turbulenta.

A agência de classificação de risco Standard and Poor's rebaixou ontem em um escalão a nota a longo prazo do país, de "B" para "B-", com perspectiva negativa, devido à tensão política.

No momento em que a instabilidade política é acompanhada de aumento da dívida e queda do turismo, o FMI (Fundo Monetário Internacional) anunciou este mês o congelamento de um pedido do Cairo para obter um empréstimo de 4,8 bilhões de dólares, e a Alemanha, a suspensão do perdão parcial da dívida egípcia.

É previsto que, em contrapartida ao empréstimo do FMI, o Egito aplique medidas de ajuste orçamentário.

O embaixador da União Europeia no Cairo, James Moran, considerou "importante criar confiança. A situação atual é frágil, e, o quanto antes o empréstimo do FMI for concretizado, melhor", comentou.

Antes da primeira fase do referendo, Mursi congelou uma série de aumentos impopulares de impostos sobre produtos como cigarros e refrigerantes.

 

Quer ficar bem informado? Leia mais

O que acontece no mundo passa por aqui

 

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade

Vitrine de ofertas

Compartilhe
Onde o terror acontece

Cinco países são responsáveis pela maioria dos mortos pelo terrorismo

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Meio ambiente

Mudanças climáticas podem aumentar o risco de uma nova guerra mundial?

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Perturbador

Crimes brutais chocaram o mundo em 2013. Veja os casos mais macabros

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Imagens do ano

Entre sorrisos e lágrimas: veja as imagens mais emocionantes de 2013

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
  • Últimas de Internacional

  • Últimas de Notícias

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!