Morte de cinegrafista: com prisão decretada, suspeito de disparar rojão não se entrega; polícia faz buscas

Rapaz foi identificado como Caio; outro suspeito reconheceu a foto

Fábio Raposo reconheceu a foto do suspeito de disparar o rojão contra o cingrafista Santiago Andrade
Fábio Raposo reconheceu a foto do suspeito de disparar o rojão contra o cingrafista Santiago Andrade Carlos Moraes/Agência O Dia

Com prisão decretada desde a noite de segunda-feira (11), o suspeito de disparar o rojão que atingiu e matou o cinegrafista da TV Bandeirantes Santiago Andrade, em manifestação na quinta-feira (6), não se apresentou à polícia. Ele poderia se entregar em qualquer delegacia, mas o prazo expirou às 6h. Com isso, a Polícia Civil iniciou diligências para encontrar e prender o homem, que foi identificado com ajuda do outro rapaz flagrado com artefato, Fábio Raposo, preso desde domingo (9).

O delegado da Delegacia de São Cristóvão (17ª DP), Maurício Luciano, havia pedido à Justiça a prisão temporária do suspeito, identificado como Caio Silva de Souza. Ele e Fábio Raposo, que teria repassado o artefato explosivo ao suspeito, foram indiciados por homicídio doloso (com intenção) qualificado e crime de explosão.

Na segunda-feira, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro divulgou comunicado justificando o pedido de prisão: "Há evidentes necessidades de se resguardar a instrução, a fim de que as demais provas sejam colhidas pela autoridade policial garantindo-se, ao final, a instrução da causa, que é de grande repercussão e que merece integral apuração, dada a lesividade social que os eventos violentos havidos nas recentes manifestações nesta cidade não mais se repitam".

Preso no Complexo de Gericinó, Raposo reconheceu na segunda-feira a foto de Caio. O delegado esteve em diligência em Bangu, na zona oeste do Rio, onde Raposo está preso. Segundo o delegado, ele disse conhecer o suspeito em razão de sua atuação em protestos e que ele teria perfil agressivo.

A identidade do suspeito de deflagrar o artefato explosivo foi entregue ao delegado pelo advogado Jonas Tadeu nesta segunda. O defensor repassou a identidade e o CPF do suspeito.