Após ser xingado em CPI da Sabesp, vereador diz que nunca passou por tamanho constrangimento na vida

Presidente da Companhia disse na semana passada que comissão "é teatrinho" 

O vereador José Police Neto (PSD) se manifestou, nesta quarta-feira (15), sobre o episódio ocorrido na semana passada na Câmara Municipal de São Paulo durante CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) sobre o contrato entre a Sabesp e a Prefeitura de São Paulo, instaurada pela casa.

— Hoje de manhã, minha filha de dez anos perguntou se eu era muito sem vergonha. Eu pergunto se a senhora é vagabunda dona Dilma [Pena, presidente da Sabesp]. Tenho certeza que não.

Na semana passada, Andrea Matarazzo (PSDB) chamou o colega de “vagabundo” e disse que a CPI não tem a menor consequência. Dilma Pena, presidente da Companhia que prestaria depoimento no dia, declarou que a comissão era “teatrinho”. A conversa ocorreu antes de Dilma começar a ser ouvida e o áudio vazou.

Leia mais notícias de São Paulo

Idec vai acionar MP e Procon contra Sabesp

Nesta quarta, quando a presidente será ouvida novamente na CPI, Police Neto fez as declarações e disse, ainda, nunca ter passada por tamanho constrangimento na vida e declarou que vai acionar a Justiça contra Dilma Pena e Matarazzo. 

Dilma Pena começou a ser ouvida hoje por volta das 10h40 e disse estar constrangida com a situação e que "não teve a intenção de ofender".

— Foi um comentário infeliz com meu colega fora da sessão. 

Vereador condena gravações e vazamentos

Por meio de nota, o vereador Andrea Matarazzo (PSDB) afirma que está indignado com gravações e vazamentos de conversas privadas. De acordo com o político, a conversa travada entre ele e a presidente da Sabesp se trata de um trecho de um diálogo particular.

Além disso, o vereador comentou o momento em que chamaou Police Neto de "vagabundo".

— Quero aqui me desculpar publicamente por um comentário feito privadamente em um momento de irritação.