Apreensão de cocaína pela Receita bate recorde em 2019

Resultado supera em quase 50% as 31,5 toneladas apreendidas em todo o ano de 2018. Porto de Santos (SP) foi o que mais registrou ocorrências 

Maior parte da droga estava em cargas que seguiriam para Europa e África

Maior parte da droga estava em cargas que seguiriam para Europa e África

Divulgação/Receita Federal

As apreensões de cocaína pela Receita Federal bateram recorde neste ano e somaram 47,1 toneladas de janeiro a outubro.

O resultado supera em quase 50% as 31,5 toneladas apreendidas em todo o ano de 2018.

O porto que mais registrou apreensões neste ano foi o de Santos (SP), com 18,9 toneladas.

Leia também: PM apreende 3 toneladas de drogas em Araçariguama e 3 são presos

Em seguida vêm os portos de Paranaguá (PR), com 13,5 toneladas; de Natal, com 4,4 toneladas, e de Itajaí (SC), com 3,7 toneladas.

Segundo a Receita, a maior parte da droga foi identificada em cargas que seriam exportadas para a Europa e a África.

De acordo com a Subsecretaria de Administração Aduaneira da Receita Federal, o aumento no volume recolhido decorre do aperfeiçoamento das técnicas de controle aduaneiro, com o uso intensivo de gestão de riscos, em que os agentes priorizam a fiscalização em cargas com mais risco de apreensões.

Leia também: Apreensão de drogas pela Receita em portos e aeroportos cresce 68%

A alta também se deve às ações de inteligência, quando o Fisco consegue identificar o transporte da droga com antecedência, e à integração com outros órgãos, como a Polícia Federal.

A Receita também aponta, como fatores que elevaram as apreensões de drogas, os investimentos em tecnologia, a capacitação dos servidores, a utilização de scanners e de cães farejadores e o próprio aumento das operações de fiscalização nas alfândegas.

Nos últimos quatro anos, a apreensão de cocaína registrou uma elevação considerável.

O volume subiu de 2,5 toneladas em 2015, para 15,2 toneladas em 2016, 18,1 toneladas em 2017 e 31,5 toneladas no ano passado.