Brasil Boa Vista escolhe área de 40 mil m² para 12 mil refugiados venezuelanos

Boa Vista escolhe área de 40 mil m² para 12 mil refugiados venezuelanos

Prefeitura da capital de Roraima quer alojamento humanitário para tirar refugiados das ruas da cidade antes da temporada de chuvas

venezuelanos campo de refugiados

Refugiados venezuelanos ocupam praças de Boa Vista

Refugiados venezuelanos ocupam praças de Boa Vista

ÁBIO GONÇALVES/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO - 29.01.2018

A Prefeitura de Boa Vista sugeriu um terreno de 40 mil m² no município para alojar milhares de refugiados venezuelanos que atualmente estão em abrigos improvisados ou nas ruas da capital de Roraima.

A construção de um enorme alojamento humanitário é vista pela gestão municipal como “urgente”, em razão da precária situação dos refugiados e por causa da aproximação da temporada de chuvas, que em quatro semanas começará a inundar vias da capital.

A prefeita Teresa Surita (MDB-RR) enviou ofício à Casa Civil com a sugestão do local em 19 de fevereiro, quatro dias após o governo federal reconhecer a “crise humanitária” em Roraima e determinar assistência emergencial aos venezuelanos. A pasta comandada por Eliseu Padilha é responsável pelas ações federais na crise dos refugiados.

“A cada dia a situação fica mais dramática em nossa capital. Milhares de famílias estão vivendo de forma bem precária e centenas de pessoas continuam chegando diariamente, ocupando nossas praças e ruas, sem condições adequadas de higiene, sem água, sem banheiro, em total miséria. A fome tem sido combatida com ações voluntárias de nossa população”, escreve a prefeita no ofício, a que o R7 teve acesso com exclusividade.

Local abrigará mais de 10 mil refugiados venezuelanos

Local abrigará mais de 10 mil refugiados venezuelanos

Divulgação

“O período de chuvas fortes inicia-se no final de março, início de abril. Se a condição de sobrevivência nas ruas e praças já é difícil, com as chuvas essa situação vai piorar muito”, continua a prefeita.

O terreno

O terreno escolhido fica no bairro Treze de Setembro, a cerca de 7 km do bairro Tancredo Neves, onde se concentram os venezuelanos sem moradia.

A área de 40 mil m² pertence ao governo federal e está localizada no mesmo quarteirão da Superintendência da Polícia Federal em Roraima, próximo à BR-174, que vai de Boa Vista a Manaus.

O terreno está situado em “local plano, alto, sem perigo de alagamento, e dispõe de infraestrutura de água potável, energia elétrica em baixa e alta tensão e rede de esgotamento sanitário”, informa o ofício. O Comando do Exército em Roraima já solicitou à prefeitura a planta do local.

A estimativa é que a área tem capacidade para abrigar entre 12 mil e 13 mil refugiados, o que seria suficiente, neste momento, para atender os venezuelanos em pior situação.

Os governos municipal, estadual e federal não sabem a quantidade de refugiados venezuelanos na cidade. Dados oficiais da Polícia Federal indicavam, no final de 2017, a presença de 30 mil venezuelanos em todo o território brasileiro.

Mas o fluxo migratório se intensificou em 2018. Segundo a PF, cerca de 800 venezuelanos cruzam a fronteira com o Brasil diariamente em Pacaraima (RR), situada 190 km ao norte de Boa Vista. A estimativa é de que haja 40 mil venezuelanos na cidade, o que representa mais de 10% da população local, estimada em 332 mil pessoas pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

“Não se criou uma coordenação nacional, em que um general viria para cá para cuidar disso? Então por que até agora não aconteceu? Nós já não mostramos o local que a gente pode fazer esse campo de refugiados? Já não vai começar a chover? Então por que a ação não acontece?”, perguntou a prefeita, em entrevista ao R7.

Ela reclama que o governo federal realiza “reunião atrás de reunião”, mas sem ações concretas.

— Já tem terreno, já tem coordenação, então o que falta para fazer essa ação? Aí vem para cá todas as organizações, todos os ministérios, notícia todos os dias, mas concretamente nada acontece.

Em nota ao R7, a Casa Civil afirma que o governo federal recebeu “algumas sugestões de locais para o abrigamento humanitário”, atualmente em avaliação por equipes técnicas.

“Estão sendo consideradas todas as áreas oferecidas. Equipe formada por engenheiros e coordenada pelo General [Eduardo] Pazuello está no local, em conjunto com o Acnur/ONU, definindo as áreas mais propícias para construção dos abrigamentos humanitários”, diz a nota.

A Casa Civil informa que os abrigos serão construídos com recursos da União, mas não informou prazo para o início das obras.

Procurada, a Acnur (Agência da ONU para Refugiados) não tinha detalhes da operação. O Exército não enviou uma resposta até a publicação desta reportagem.