Brasil Cobrado pelo STF por aglomeração, Bolsonaro nega irresponsabilidade

Cobrado pelo STF por aglomeração, Bolsonaro nega irresponsabilidade

O ministro Edson Fachin havia dado cinco dias para que o governo se manifestasse em uma ação movida por partido

Agência Estado
O presidente da República, Jair Bolsonaro, durante evento no Ministério da Saúde

O presidente da República, Jair Bolsonaro, durante evento no Ministério da Saúde

DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO-01/06/2021

Após requisição ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, o governo federal justificou as violações de medidas restritivas cometidas pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante a pandemia.

Leia também: STF julga quinta-feira ações contra a Copa América no Brasil

O ministro havia dado cinco dias para que o governo se manifestasse em uma ação movida pelo PSDB para obrigar Bolsonaro a seguir as recomendações sobre uso de máscara e distanciamento social. O partido afirma que o presidente age em flagrante desvio de finalidade ao descumprir orientações da própria administração pública federal, como o Ministério da Saúde e a Anvisa.

Em 15 páginas, o governo diz ter adotado diversas ações para enfrentamento da covid-19 e defende ser dispensável qualquer ordem judicial que se sobreponha aos decretos vigentes.

"A adoção de medidas pelo Governo Federal, capitaneadas pelo Chefe do Poder Executivo Federal, têm por escopo combater o novo coronavírus, o que, por si só, afasta a alegação de irresponsabilidade imputada ao Presidente da República quanto à observância de medidas necessárias ao enfrentamento da pandemia", diz um trecho do documento.

Um levantamento publicado em março pelo Estadão mostrou que, desde o início da pandemia, o presidente promoveu pelo menos 41 cerimônias com aglomeração no Palácio do Planalto. Nos eventos públicos, Bolsonaro apareceu sem máscara de proteção, item indispensável para evitar a contaminação em massa. No mês passado, em viagem ao Maranhão, ele chegou a ser multado pelo governo Flávio Dino (PCdoB) por descumprir as medidas sanitárias para enfrentamento da pandemia em vigor no Estado.

Últimas